Campanha de assinaturas do blog



Quem acessou este blog ao longo do feriado talvez tenha encontrado, no rodapé de algumas postagens, um aviso pedindo assinaturas. Aquilo foi o "lançamento suave" da campanha, que retomo agora, numa versão um pouco mais "hard".

Então.

O blog está pedindo assinaturas. Por quê? Basicamente, porque eu gostaria de ter mais liberdade para escolher meus temas (minhas "pautas", como se diz em jornalismo) e, tendo-os escolhido, mais espaço de manobra para apurar os assuntos do jeito que acho que devo, e escrever depois do jeito que acho que devo.

O fato de o blog não gerar renda muitas vezes me força a ser superficial, a deixar alguns temas que considero importantes de lado enquanto corro atrás da ração do gatinho, etc. Assinaturas são um jeito de contornar isso. Claro, se houver assinantes.O projeto "levantar fundos para o blog" também inclui uma lojinha de livros usados dentro do guarda-chuva da Amazon.com.br, aliás.

Não sei se há gente suficiente, aí fora, suficientemente interessada  em minhas idiossincrasias para fazer isso funcionar, mas o único jeito de descobrir é tentando, certo?

Bom, enfim: há quatro modalidades de assinatura. As duas primeiras são as que considero "realistas", um valor menor que, basicamente, corresponde a me pagar uma cerveja por mês e que dá ao assinante o direito de sentir que colaborou para que mais reportagens como esta, esta ou esta apareçam no blog. A segunda permite que o assinante receba também uma newsletter -- um e-mail -- toda semana com notas sobre ciência, meio à moda da coluna Telescópio que eu fazia para o Jornal da Unicamp.

As duas outras modalidades são "sonháticas". Envolvem pagamentos anuais de valores bem altos -- estão só para o caso de algum leitor do blog se sentir especialmente generoso. Elas dão direito a brindes: um livro de minha autoria ou um livro de minha autoria mais outro, surpresa.

 O botãozinho é este aí embaixo...


Opções de assinatura

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Baleia ou barriga?

O financiamento público da pseudociência

Design Inteligente é propaganda, não ciência