Postagens

Mostrando postagens de Setembro 3, 2017

Ciência das confissões e testemunhas

Imagem
Confissões e testemunhos oculares são, ao contrário do que a maioria das pessoas parece imaginar, os tipos mais fracos de evidência, e os que mais levam a condenações injustas. O trabalho da ONG americana Innocence Project mostra que 70% das condenações revertidas graças a exames de DNA tiveram, como principal causa, equívocos cometidos por testemunhas. O assunto foi tema de um estudo financiado pelo governo dos Estados Unidos e que acabou resumido num artigo publicado, neste ano, no periódico PNAS. Diz o paper que "as ciências da visão e da memória indicam que erros judiciários baseados em testemunhos oculares são prováveis, a priori, dadas as condições de incerteza, viés e excesso de confiança".

Excesso de confiança é uma expressão-chave: pesquisa publicada em 2003 sobre memórias de eventos de forte apelo emocional (no caso, o ataque às Torres Gêmeas de Nova York), revela que o grau de confiança que uma pessoa diz ter em suas lembranças não se correlaciona com a veracidade…

Judiciário americano e mudança climática

Imagem
A Justiça dos Estados Unidos vem sendo cada vez mais acionada em ações envolvendo mudança climática, e o Judiciário vem assumindo um papel importante na formulação da política climática, afirma artigo publicado na edição mais recente da revista Science. O trabalho, que pode ser acessado neste link, é de autoria de pesquisadores da Universidade George Washington.

"Questões científicas associadas à mudança climática não são muito diferentes de grandes controvérsias anteriores que levaram à litigação, como as que envolveram o tabaco e a exposição a produtos químicos", escrevem os autores. "Esses casos podem oferecer insights sobre os possíveis desenvolvimentos na litigância climática, mas a mudança climática também poderá gerar respostas jurídicas únicas".

Por meio de nota, uma das autoras do estudo, Sabrina McCormick, disse que "decisões judiciais que apoiam ou detêm a ação do governo na questão da mudança climática terão impactos nas emissões de gases do efeit…

Em publicação científica, presas e predadores se confundem

Imagem
O Brasil é o 13º país que mais inclui trabalhos científicos sobre biomedicina em periódicos internacionais considerados “predatórios”, que cobram para aceitar artigos e publicam-nos sem exigir qualidade mínima ou submetê-los a um processo adequado de revisão pelos pares. De um levantamento de mais de 1,9 mil artigos lançados em 2016, em mais de 200 desses periódicos, vinte e sete, ou 1,4%, tinham, como principal autor ou autor correspondente, um brasileiro.

Os países que dominam esse “ranking negativo” da ciência são Índia (27%), EUA (15%), Nigéria (5%), Irã (4%) e Japão (4%). O levantamento, encabeçado pelo pesquisador canadense  David Mohrer,  do Ottawa Hospital e da Universidade de Ottawa, fundamenta  um duro artigo de opinião publicado na edição desta semana na revista Nature.

Para os autores, o principal achado da pesquisa foi que, ao contrário do que a comunidade científica supunha, a clientela dos editores predatórios não se concentra nos países de renda média ou baixa. “Mais…

Lição de jornalismo de Carl Kolchak

Imagem
Tem gente que diz que escolhas profissionais passam, muitas vezes, por protótipos da ficção: advogados que optaram pelo direito depois de assistir a  Perry Mason, ou médicos inspirados por, sei lá, M*A*S*H* ou Grey's Anatomy.  Há até quem diga que todo jornalista sonha em ser Clark Kent. No meu caso particular, no entanto, se há alguma inspiração em heróis ficcionais, é Carl Kolchak.

O personagem foi criado pelo escritor americano Jeff Rice (1944-2015) para seu romance The Kolchak Papers. Antes mesmo que o livro viesse a ser lançado, a história teve seus direitos vendidos para televisão é foi adaptada por Richard Matheson -- mais conhecido pelo romance Eu Sou a Lenda e por ter roteirizado boa parte da série original Além da Imaginação e dos filmes de Roger Corman "baseados" em Edgar Allan Poe --  como o telefilme The Night Stalker.

A história gira em torno de um repórter, o Kolchak do título, que descobre que um serial-killer que ataca em Las Vegas é, na verdade, um vam…

Ciência marcha em legítima defesa

Imagem
Às vezes, um grupo de estudantes universitários me convida para falar sobre divulgação científica. Sempre que posso, compareço, e faço alguma versão da minha apresentação "evangélica" sobre a necessidade de os cientistas se envolverem coma  população em geral, comunicando suas descobertas e tendo o máximo possível de paciência com a mídia. As razões que apresento dividem-se em três grupos: prestação de contas (a pesquisa é financiada com dinheiro público), manutenção da democracia (sem acesso a conhecimento confiável, cidadãos e governos tendem a fazer merda) e a última, que cito enquanto apresento o impressionante slide abaixo...

... é defesa pessoal. Basicamente, numa sociedade onde as pessoas responsáveis por definir o orçamento público são eleitas pelo voto popular, a distribuição das verbas tende a refletir as pressões vindas do eleitorado (ou dos financiadores de campanha, mas essa é outra história). Se o eleitorado está cagando e andando para a pesquisa científica, a …