Lição de jornalismo de Carl Kolchak



Tem gente que diz que escolhas profissionais passam, muitas vezes, por protótipos da ficção: advogados que optaram pelo direito depois de assistir a  Perry Mason, ou médicos inspirados por, sei lá, M*A*S*H* ou Grey's Anatomy.  Há até quem diga que todo jornalista sonha em ser Clark Kent. No meu caso particular, no entanto, se há alguma inspiração em heróis ficcionais, é Carl Kolchak.

O personagem foi criado pelo escritor americano Jeff Rice (1944-2015) para seu romance The Kolchak Papers. Antes mesmo que o livro viesse a ser lançado, a história teve seus direitos vendidos para televisão é foi adaptada por Richard Matheson -- mais conhecido pelo romance Eu Sou a Lenda e por ter roteirizado boa parte da série original Além da Imaginação e dos filmes de Roger Corman "baseados" em Edgar Allan Poe --  como o telefilme The Night Stalker.

A história gira em torno de um repórter, o Kolchak do título, que descobre que um serial-killer que ataca em Las Vegas é, na verdade, um vampiro, mas acaba impedido de contar a história por uma aliança entre a polícia e os políticos da cidade, que conspiram para acusá-lo de homicídio (ele, afinal, crava uma estaca no peito do monstro).

Um segundo telefilme, The Night Strangler, leva Kochak e seu pobre editor Tony Vincenzzo, a SEattle, onde outro serial-killer se revela uma ameaça sobrenatural que "as forças da ordem" preferem manter em segredo. Aos dois filmes, lançados no início dos anos 70, seguiu-se uma série de TV de 20 episódios, que, assim como os telefilmes originais, dá para achar no YouTube.

Analisando friamente, dá para notar que a fórmula se torna cansativa bem depressa: ocorrências misteriosas chamam atenção de repórter, que descobre que o problema tem raízes sobrenaturais; repórter elimina a ameaça, mas no processo ou perde todas as provas, ou é impedido de publicar o que sabe (como mantém seu emprego sem jamais produzir uam só matéria publicável é o grande mistério da série).

Mas essas limitações (ao menos para mim) são compensadas pela interpretação de Darren McGavin no papel-título (na foto que abre esta postagem, McGavin, como Kolchak, prepara-se para fazer uma pergunta inconveniente numa entrevista coletiva) e -- aqui chegamos à questão mais diretamente jornalística -- a sua relação com o chefe, o impagável Vincenzzo.

Enquanto o editor está lidando com pressões de todo tipo (dos donos, da elite local, da polícia) para suprimir fatos, Kolchak corre atrás da história, e dane-se o resto. A frase que mais repeti em minha cabeça, ao longo de mais de 20 anos de carreira em redações, é uma linha de diálogo de The Night Strangler, em que Kolchak, frustrado por ver suas investigações sabotadas de todos os lados, e diante da abordagem cheia de dedos do chefe, se volta para Vincenzzo e grita: "This is NEWSpaper! We are supposed to print the NEWS".

O que é, ou deveria ser, a essência toda do negócio, destilada em sua concentração máxima.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Baleia ou barriga?

O financiamento público da pseudociência

Design Inteligente é propaganda, não ciência