sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Ciência, saúde e a maldição do "personagem"

Acho que já fiz, no passado, um longo "rant" contra um vício particular que vem tomando conta do jornalismo na área de saúde, a saber, o de que toda matéria tem de girar em torno de um "personagem". Partindo do pressuposto de que o leitor médio de jornais e revistas é incapaz de, ou está indisposto a, prestar atenção em qualquer narrativa um pouco mais complexa que um roteiro de telenovela, os editores passaram a exigir que virtualmente qualquer reportagem sobre doenças ou tratamentos tenha "personagem", e.g., uma pessoa que sofre da moléstia/passa pelo procedimento.

 (Isso ajuda a explicar, entre outras coisas, a superpopulação de jovens mães na casa dos 30, estudantes universitárias, empresárias, jornalistas, publicitárias que infesta as narrativas midiáticas: o jornalismo é cada vez mais uma profissão feminina, e a busca insana por personagens acaba levando as autoras a "caçar" fontes em seu próprio extrato demográfico.)

 Não estou dizendo, veja bem, que matérias jornalísticas construídas em torno de personagens devam ser banidas, ou que é impossível fazer bom jornalismo sobre pessoas e "histórias humanas" (existe outro tipo?). Também reconheço o poder do personagem individual em despertar ações e emoções: o perfil bem construído de uma só vítima de um desastre natural tem muito mais potencial de gerar solidariedade e consciência do problema do que uma tabela com os números de mortos e feridos. "Pôr uma cara nesse número" é uma estratégia eficaz de comunicação.

 Estratégias eficazes de comunicação, no entanto, também são, ceteris paribus, ferramentas eficazes de desinformação e manipulação. E quando o assunto é saúde, desinformação é o tipo de coisa que acaba custando caro. Caso em tela: esta reportagem da BBC, sobre garoto desenganado pelos médicos que, aparentemente, se "curou" do câncer com o uso alternativo de uma caríssima terapia que não havia sido recomendada para seu caso.

 Aqui seria o momento de inserir uma frase de efeito típica da crítica do jornalismo científico, "relato anedótico não é dado", ou invocar uma falácia clássica, a "post hoc". Mas, resumindo: sem um estudo detalhado, envolvendo um grande número de pacientes e controles estatísticos adequados, é impossível afirmar, em boa fé, que foi a terapia que salvou a vida do garoto (se é que ela foi salva: parece haver alguns tumores remanescentes).

 O texto da BBC meio que admite isso, lá no fim, ao citar um médico que diz que não é possível atribuir a recuperação parcial do jovem a uma causa específica, mas encaixar o "disclaimer" depois de 15 parágrafos de mistificação é meio estranho. A história, enfim, não se sustenta como jornalismo de ciência ou saúde, mas apenas como "relato de personagem": temos o garotinho desenganado, sua avó amorosa, a cura. "Face humana", etc. Com o poder de estimular muita gente a vender tudo o que tem e correr para o México em busca de uma terapia que, no fim, talvez seja inadequada.

 O foco narrativo no personagem que o jornalismo atual exige é exatamente o oposto da boa prática científica e, até, dos requisitos mais comezinhos da honestidade intelectual: sempre será possível contar histórias emocionantes sobre pessoas que se salvaram depois de fazer X, ou que sofreram horrores a despeito de terem feito Y.

 Mas a verdadeira questão que o jornalismo, principalmente o jornalismo de saúde, deveria tentar responder é: o que essas histórias significam para a população em geral? O quanto são representativas? Qual probabilidade de que X ou Y produzam, no leitor desavisado, os mesmos efeitos que tiveram sobre o personagem? Isso não é algo que a tal "história humana", sozinha, vai dizer.

3 comentários:

  1. E não só na saúde, Carlos. Na TV, em especial, não há nenhum assunto, nem mesmo os mais técnicos, que possa ser noticiado sem incluir a "opinião" da dona Maria, que ninguém sabe quem é nem porque foi escolhida para representar a opinião do público.

    ResponderExcluir
  2. Isso é conseqüência de uma cultura aparente, criada por um sistema primário senhor X escravo, onde alimentar o "admitir porque admitem", é ferramenta para manter a inconsciência dos subjugados e o concomitante poder dos que subjugam (que assim fazem, por serem, tal como os subjugados, primários, culturalmente). Meus cumprimentos pela postagem!

    ResponderExcluir
  3. estou de acordo contigo. Também percebo que levaram ao clichê a recomendação de "humanização" do jornalismo científico e suas ramificações. Muito boa sua discussão.

    ResponderExcluir