Negacionismo à sinistra

"Não há, por exemplo, nenhuma prova de que uma só pessoa tenha morrido, ou mesmo ficado gravemente doente, por causa do resíduo acumulado de pesticidas em sua comida. O mesmo não pode ser dito sobre as toxinas contidas nos alimentos "naturais" -- como os surtos de contaminação por salmonela ou de envenenamento por leite não-pasteurizado nos EUA demonstram continuamente". (Michael Specter, "Denialism")

Quando se fala em negacionismo -- a negação deliberada de um fato bem estabelecido --, a imagem que mais facilmente vem à mente é a da figura conservadora, de direita, seja ela o neonazista que nega o Holocausto, o televangelista que nega a evolução ou o articulista de jornal que nega o aquecimento global. Dois livros que li recentemente, no entanto, chamam a atenção para o fato de que a esquerda também é culpada do mesmo pecado, ainda que com alvos diferentes: Science Left Behind: Feel-Good Fallacies and the Rise of the Anti-Scientific Left e Denialism: How Irrational Thinking Hinders Scientific Progress, Harms the Planet, and Threatens Our Lives.

O primeiro, do biólogo Alex Berezow e de Hank Campbell, criador do site Science 2.0, é mais ideológico: embora traga várias informações interessantes, ele se arrasta numa longa diatribe sobre como os cientistas e jornalistas científicos de esquerda são intelectualmente desonestos ao tratar os políticos do Partido Republicano como brucutus semianalfabetos, ao mesmo tempo em que fazem vistas grossas às bobagens pseudocientíficas que muitos nas fileiras do Partido Democrata abraçam, como a oposição às vacinas, o amor pela medicina alternativa, a satanização dos produtos transgênicos.

O segundo, do jornalista Michael Specter -- citado na epígrafe -- é mais denso em informação e, embora também apresente opiniões, é bem menos estridente, e se apoia bem menos na identidade política dos eventuais negacionistas para apresentar seu caso.

Da leitura de ambas as obras, no entanto, fica a impressão de que o negacionismo de esquerda tem pelo menos uma característica que o distingue do de direita, para além de seus alvos: enquanto a negação pela direita tende a disputar fatos (que a Terra está aquecendo por causa da queima de combustíveis fósseis, que ser humano e o chimpanzé têm um ancestral comum) a negação pela esquerda tende a manipular o conceito de risco.

O que é uma estratégia muito eficaz. O ser humano é especialmente ruim em avaliar o risco envolvido nas coisas que faz. A maioria das pessoas considera que andar de avião é mais perigoso do que de atravessar a rua -- mas, segundo dados do Ministério da Saúde, no ano passado 8.390 pedestres brasileiros morreram no trânsito, e apenas 18 brasileiros perderam a vida em acidentes aéreos. Mesmo levando em consideração que apenas 66 milhões de brasileiros andam de avião (número de 2010), e supondo que todos os 200 milhões atravessem a rua de vez em quando, o risco relativo de andar na rua ainda é 150 vezes maior que o de embarcar numa aeronave.

Ou, como escreve Specter, o número de americanos que morreu, nos últimos 30 anos, em consequência direta e demonstrável de ter comido alimentos transgênicos é zero; já o número de americanos que morreu, em 2008, após tomar um comprimido de aspirina foi de dois mil; e outras 300 pessoas morreram afogadas em suas banheiras nos Estados Unidos, no mesmo ano.

O ponto é que não é possível (ou, ao menos, não é exatamente honesto) falar em risco em termos absolutos: uma coisa não é segura ou arriscada em si, mas apenas mais ou menos arriscada (ou segura) que a alternativa. Todos nós temos uma noção intuitiva disso: por exemplo, mesmo sabendo que é arriscado violar o limite de velocidade no trânsito, consideramos (talvez erroneamente) que esse risco é menor que o de atrasar para a reunião e desagradar o chefe.

Ao apontar para "riscos" genéricos -- ficando no exemplo acima, das lavouras transgênicas que podem causar dano à saúde, ou que podem prejudicar o meio ambiente -- sem oferecer um termo claro de comparação (o risco de pessoas passarem fome, ou de se ter de usar mais pesticidas ou, caso se abandonem tanto os transgênicos quanto os pesticidas, de se ter de destruir mais mata nativa para compensar a perda de produtividade por hectare), a esquerda pratica sua modalidade particular de negacionismo.

Berezow e Campbell mostram-se especialmente exasperados com o fato de que, ao se eximir de fazer comparações de riscos relativos e análises de custo-benefício, a esquerda ambientalista é capaz de condenar, ao mesmo tempo, a energia nuclear (perigosa), a hidrelétrica (ruim para os rios), os combustíveis fósseis (efeito estufa) e, em alguns casos, a eólica (estraga a paisagem, mata pássaros).

Specter, Berezow e Campbell chamam ainda atenção para o mito romântico de que tudo que é "natural" é bom e saudável. Specter lembra que as substâncias que mais matam no mundo são "naturais" -- água e comida contaminados por vírus, fungos e bactérias. "A natureza produz muitos produtos químicos, e eles não são menos tóxicos que os criados pelo homem", escreve.

Berezow e Campbell  se referem a esse deslumbramento com o "natural" como parte de uma "mitologia progressista" que mencionam logo no primeiro capítulo da obra. Os outros axiomas dessa mitologia seriam: tudo que é artificial é mau; a ciência vai nos destruir; e todo conhecimento é relativo.

Mais para o fim do livro eles acrescentam um outro, o da tábula rasa: todas as diferenças de temperamento, inclinação e comportamento que existem entre seres humanos, incluindo as diferenças não-anatômicas entre homens e mulheres, podem ser explicadas por fatores culturais e sociais, nunca pelos genes ou pela natureza. Mesmo concedendo que a tábula rasa parece ter emergido como uma reação bem intencionada ao racismo e ao sexismo, os autores acusam forças de esquerda na academia de usá-la como arma ideológica para sufocar estudos em áreas como a psicologia evolutiva.

É importante notar, porém, que nem o uso irresponsável da noção de risco é exclusividade da esquerda, nem a manipulação ideológica de dados, da direita. O recente estudo francês -- já desacreditado -- sobre transgênicos que causam câncer foi uma manobra que lembra bem as estatísticas furadas dos negacionistas climáticos; e o pânico que a direita americana tentou criar, levantando "riscos" imaginários para evitar a vacinação de adolescentes contra o vírus HPV não cairia mal como peça de um grupo de defensores da medicina alternativa.




Comentários

  1. Olá, Carlos.
    Texto importante sim. Pessoalmente, sou negacionista moderado quanto ao aquecimento global (detalhes aqui: http://asimovia.blogspot.com.br/2013/01/negacionismo-global.html )
    Mas acho importante a análise cuidadosa desse tipo de opinião, a minha inclusa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Norson! Existem, de fato diferentes séries de dados sobre a temperatura global, mas é importante notar que todas mostram tendência de aquecimento -- é como se você tivesse várias réguas para medir a altura de uma criança: algumas podem estar mal calibradas, outras, meio tortas, mas todas vão mostrar que a criança cresce ao longo do tempo.

      Além disso, os dados de temperatura são apenas parte do caso. Há outras linhas de evidência. Tem um bom resumo a respeito aqui:

      http://www.skepticalscience.com/evidence-for-global-warming.htm

      e este PDF aqui:

      http://www1.ncdc.noaa.gov/pub/data/cmb/bams-sotc/2009/bams-sotc-2009-brochure-lo-rez.pdf

      Excluir
    2. Norson,

      Dei uma olhada nos referidos sites mas achei toda informação muito superficial. Tem um site muito bom, com informações muito interessantes, que negam o fenômeno do aquecimento global antropogênico. Não se se já conhece, se não dá uma olhada no:

      http://terrorismoclimatico.blogspot.com/

      Estou, provavelmente como muitos que aqui frequentam, na tentativa de formar uma opinião sobre o assunto.

      Mesmo que o planeta esteja realmente aquecendo nas últimas decadas, ainda nao está claro pra mim como que o CO2, um gas que compõe hoje cerca de 0.03% da atmosfera, pode ter um efeito/peso tão significante no clima. Outros gases de efeito estufa como o próprio vapor de água podem chegar a concentrações 10 vezes maior do que o CO2.

      Quem disse também que o clima é ou deve ser estático? Esse suposto aumento não pode simplesmente ser normal? Diversos estudos (analize de sedimentos oceanicos, vide http://terrorismoclimatico.blogspot.com/2012/12/0400-repostagem-020-0007-john-l-daly.html) mostram que houveram periodos mais quentes que hoje, inclusive reconhecidos no passodo pelo próprio IPCC, mas esquecidos depois dos estudos de Mann e o famoso "Hockey Stick Chart".

      Me parece que neste inverno no hemisferio norte, houve a maior area coberta de neve desde 1960...

      http://climate.rutgers.edu/snowcover/chart_daily.php?ui_year=2012&ui_day=365&ui_set=2

      Há séries de dados (infelizmente não sei quão confiáveis) que dizem que a temperatura não subiu nada nos últimos 16 anos...

      http://www.dailymail.co.uk/sciencetech/article-2217286/Global-warming-stopped-16-years-ago-reveals-Met-Office-report-quietly-released--chart-prove-it.html

      Enfim, Carlos, se quiser comentar algo ficaria muito agradecido. Como disse, minha opinião não está completamente formada, mas tendendo a acreditar que ainda não é possivel afirmar que as causas de um possível aquecimento global são antropogênicas.

      Um abraço.

      Excluir
    3. Oi, Danilo!

      Eu ainda recomendo uma leitura atenta do conteúdo do site Sekptical Science(http://www.skepticalscience.com/) como a melhor fonte de dados, em apresentação para leigos, sobre o aquecimento global. Sobre vários dos pontos que você levanta, eu fiz uma postagem aqui: http://carlosorsi.blogspot.com.br/2012/12/e-oficial-antartida-tambem-esta.html . Ali você encontra, por exemplo, um gráfico que compara as frequências de luz infravermelha que chegam ao espaço, emanadas pela Terra, com as frequências absorvidas pelo CO2 – e dá para ver que há um déficit nessa faixa, acumulado nas últimas décadas. Essa é uma prova de que o CO2 está aprisionando energia dentro da atmosfera.

      Quanto à temperatura média global não ter subido muito nos últimos anos, ou haver invernos rigorosos, é importante notar a diferença entre clima e tempo: clima representa a tendência e o comportamento de longo prazo, tempo é a manifestação do clima num dado momento. As temperaturas podem até ter se mentido estáveis nos últimos 10 anos, mas o fato de que todos os anos mais quentes dos últimos dois séculos estiveram entre eles há de significar algo... Para além do fato de que a tendência histórica mais ampla é de aquecimento (como mostra outro gráfico da postagem linkada acima).

      Quanto ao clima dever ser estático, é claro que não deve. O clima, como todo fenômeno natural, é o que é. A questão real é: dado que a ação humana está forçando o clima numa certa direção, a do aquecimento, esta é uma direção que nos favorece? Se não, o que podemos fazer a respeito?

      Pode até ser que a receita mais propalada (corte radical de emissões) seja pouco prática, dada a realidade político-econômica, mas se você se debruçar sobre a literatura científica, não há como negar o fenômeno em si. Dizer que 90% dos climatologistas do mundo são parte de uma conspiração para aterrorizar o mundo faz tanto sentido qunato dizer que 90% dos médicos fazem parte de uma conspiração para estimular a venda de antibióticos. O consenso científico em torno da questão é esmagador (http://www.skepticalscience.com/global-warming-scientific-consensus-intermediate.htm ) e (http://visionprize.com/results ) .

      Excluir
    4. Obrigado Carlos,

      Essa questão do aquecimento me intriga bastante. Tenho desenvolvido um interesse muito grande sobre o assunto nos últimos meses, quando passei ler os textos negacionistas.

      Essa conspiração toda, super enfatizada no referido site me incomoda também, concordo com você, mas ao mesmo tempo tem cientistas sérios (tive aula e contato na USP com dois) e a meu ver corajosos por enfrentar esse "status quo" admitido como verdade absoluta, colocam seus pontos de forma muito coerente, arriscando seus financiamentos pra pesquisa...

      Não há como negar o interesse econômico envolvido, e nos desdobramentos ruins que isso pode gerar. E é exatamente essa a pulga se saltita atrás da minha orelha...

      Obrigado pelo espaço aberto à discussão. Te acompanho a tempos, apesar de ser esta a primeira vez que posto algo.

      Vou debruçar sobre o Sekptical Science!

      Excluir
  2. A maioria dos debates, sobre transgênicos por exemplo, se encerram quando eu cito algum estudo científico e ele rebate dizendo que estes estudos foram manipulados por interesses econômicos. Não como argumentar com alguém de mente tão fechada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que não ficou claro, mas estava me referindo a um colega esquerdista.

      Excluir
  3. Parabéns pelo artigo. Considero esse blog uma ótima alternativa (mas melhor) ao bule voador, que segue aproximadamente a "mesma linha editorial", mas por lá muitas vezes aparecem artigos reacionários, tornando-os cansativos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"Fosfo da USP" volta a dar chabu em testes oficiais

Baleia ou barriga?

O financiamento público da pseudociência