Cientistas dos EUA tendem a exagerar resultados, diz estudo

Uma análise estatística de mais de 1.100 pesquisas sobre genética, hereditariedade e psiquiatria indica que os estudos realizados nos Estados Unidos, ou que têm coautores americanos, tendem a informar efeitos mais contundentes do que os esperados pela média dos trabalhos que investigam os mesmos assuntos, o que sugere que a taxa de sucessos na literatura produzida pelos americanos pode ser exagerada. (Leia mais a respeito disso e de outros assuntos na coluna Telescópio, do Jornal da Unicamp).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Baleia ou barriga?

O financiamento público da pseudociência

Design Inteligente é propaganda, não ciência