A matemática do presente de casamento

Pretende se casar em breve? Então talvez valha a pena procurar a edição número 4, volume 5, do periódico International Journal of Electronic Marketing and Retailing, que traz uma análise estatística de como foram atendidos os pedidos apresentados em mais de 500 listas de presentes postadas online, feita por pesquisadores da Coreia do Sul e dos Estados Unidos. Os autores descobriram que três categorias de presentes geralmente acabam sobrando nas listas, sem ninguém para comprá-los e oferecê-los aos noivos: os muito caros, os muito baratos – e os de preço médio. (Leia mais sobre este assunto, e também sobre supernovas, planetas habitáveis, poluição em Roma Antiga e o Facebook na coluna Telescópio).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Baleia ou barriga?

O financiamento público da pseudociência

Design Inteligente é propaganda, não ciência