"Olhar Cético", agora, só online

Se não errei nas contas, faz mais ou menos 10 meses que lancei a coluna Olhar Cético na revista Galileu, impressa e online, a convite do então editor-chefe Alexandre Matias. De lá para cá, muita água passou por debaixo da ponte, incluindo a saída de Matias da revista, no início do ano. Com a troca de comando é natural que algumas mudanças de caráter mais estrutural também aconteçam, e uma delas é o fim da Olhar Cético na Galileu de papel. A coluna sobre Harriet Hall é a última que os leitores "físicos" da revista verão, embora outros textos meus, como artigos ou reportagens, possam eventualmente voltar a aparecer na publicação. Mas o texto mensal, fixo, não sairá mais.

A coluna na internet, no entanto, continua, firme e forte. Confesso que a decisão de encerrar a participação na edição impressa por um lado me entristece um pouco -- minha grande inspiração sempre foi a clássica página de ceticismo da Scientific American original, e eu tinha a vaga pretensão de estabelecer uma tradição comparável -- mas, por outro, vem com certo alívio: o espaço no papel era bem exíguo, e escrever as colunas estava se tornando um exercício frustrante, onde era frequente a sensação de que a concisão forçada estragava alguns temas.

Escrevendo apenas para a internet, terei mais espaço e mais tranquilidade para apresentar as coisas como acho que devem ser apresentadas, e com um tempo de reação mais compatível com a velocidade com que as bobagens se multiplicam pela web, algo que ficava meio embaraçado na periodicidade mensal do papel.

Bom, enfim: se você acompanha a Galileu impressa, não se assuste quando a edição de maio sair sem o Olhar Cético. Meus escritos continuarão a aparecer no site da revista -- e agora, espero, com mais fôlego e desenvoltura.

Comentários

  1. Leio seus escritos aqui, nunca na revista impressa.

    A Galileu é boa, divulga o nome, dá status e tal, mas a internet é indiscutivelmente mais ágil e com poder de alcance infinitamente maior.

    Só vejo como necessário você atualizar a sua plataforma, (para o Wordpress, por exemplo) aplicar recursos de SEO (gratuitos, por sinal) e se dedicar a entender melhor a linguagem on-line.

    Revista física vive e depende do trabalho dos outros. Blog não.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"Fosfo da USP" volta a dar chabu em testes oficiais

A maldição de Noé, a África e os negros

Primeiros testes: "fosfo da USP" não funciona e não é "fosfo"