Complexidade "irredutível"

"Nunca consegui entender", disse Mr. Pond, "como uma mudança que deveria ter ajudado um animal, se acontecesse depressa, pode ajudá- lo se acontece devagar. E se acontece em seu tataraneto, muito depois de passada a hora de o animal ter morrido sem sequer deixar netos. Poderia ser uma vantagem se eu tivesse três pernas, digamos, para me apoiar em duas enquanto chuto um burocrata com a terceira. Poderia ser melhor se eu tivesse três pernas; mas não seria melhor se eu tivesse apenas uma perna rudimentar (...) até que seja longa o bastante para correr ou escalar, a perna seria apenas um peso extra". 

Este é, numa versão usada pelo escritor G.K. Chesterton (1874-1936), o argumento criacionista da "complexidade irredutível". Entenda por que ele não funciona, no Olhar Cético da Revista Galileu

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"Fosfo da USP" volta a dar chabu em testes oficiais

A maldição de Noé, a África e os negros

Primeiros testes: "fosfo da USP" não funciona e não é "fosfo"