Afinal, faz diferença dizer "presidenta"?

Você acha que chamar uma mulher que exerce um cargo de presidência de “presidenta” ajuda a combater o machismo? Ou que o fato de o português usar a forma masculina de modo inclusivo (“todos” pode se referir a um grupo de homens ou a um grupo de homens e mulheres; “todas” refere-se apenas a mulheres) torna, de algum modo, a cultura lusófona especialmente discriminatória contra o sexo feminino? Se for esse o caso, você talvez esteja sofrendo de “whorfianismo”, nome dado à hipótese defendida pelo linguista Benjamin Lee Whorf (1897-1941). Leia mais no Olhar Cético.

Comentários

  1. Sr Orsi, desvendei funcionamento do CÉREBRO HUMANO. Fv, leia últm post: Ensaio Sobre o Racismo - e a origem das emoções humanas (blog: cerebro selvagem). Sou analfabeto digital - ajd-me divulgá-la. OBG.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"Fosfo da USP" volta a dar chabu em testes oficiais

Baleia ou barriga?

O financiamento público da pseudociência