Seca e superpopulação urbana acabaram com o Império Assírio

Fiz a nota abaixo para a coluna Telescópio, do Jornal ad Unicamp, em novembro passado. Por alguma razão, achei que valia a pena destacá-la aqui, agora, chamando principalmente a atenção dos leitores paulistas:

Superpopulação e seca levaram ao fim do Império Assírio, no século 7 antes da era comum, argumenta artigo publicado no periódico Climate Change. O chamado Novo Império Assírio chegou a dominar praticamente todo o Oriente Médio, do Egito ao Golfo Pérsico, incluindo terras que hoje pertencem a Israel, Palestina, Turquia, Síria e Iraque, no início do século 7 AEC, mas décadas depois já se encontrava em desintegração, fraturado por guerras civis.

Os autores do novo artigo, baseados nos Estados Unidos e na Turquia, associaram informações sobre o clima da época ao conteúdo de uma carta escrita por um astrólogo ao rei, informando que “não houve colheitas” no ano de 657 AEC. Dados paleoclimáticos corroboram o informe do astrólogo, e análises dos padrões de clima da região indicam que a seca de 657 foi apenas uma em uma série que se estendeu por vários anos. Além disso, a população de cidades como a capital, Nínive, teria sobrecarregado ainda mais a economia.

“Não estamos dizendo que os assírios de repente morreram de fome ou foram forçados a fugir das cidades e vagar pelo deserto”, disse, em nota, um dos autores do artigo, Adam Schneider, da Universidade da Califórnia em San Diego. “Estamos dizendo que a seca e a superpopulação afetaram a economia e desestabilizaram o sistema político até o ponto em que o império não era mais capaz de conter a desordem interna e a agressão de outros povos”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"Fosfo da USP" volta a dar chabu em testes oficiais

A maldição de Noé, a África e os negros

Primeiros testes: "fosfo da USP" não funciona e não é "fosfo"