O fim do "Olhar Cético" na Galileu: só mais duas colunas

A coluna Olhar Cético, que eu vinha produzindo para o site da revista Galileu desde, se não me engano, agosto de 2013, deixa de ser publicada a partir de julho. Há um texto que deve entrar no ar hoje, um artigo final que sobe na próxima segunda-feira, dia 29, e c'est fini. O motivo, informam-me, é contenção de despesas; há a possibilidade de uma retomada dentro de alguns meses, mas é apenas isso, uma possibilidade.

Pelas minhas contas, a coluna de 29 de junho será a de número 99. Minha pasta Dropbox de textos para a Galileu contém 113 arquivos, mas descontando as reportagens que produzi parta a revista, principalmente entre 2013 e 2014, os rascunhos dos artigos e os textos começados mas não terminados, creio que restam uns 99, talvez pouco mais, que realmente saíram sob a rubrica do Olhar Cético, inicialmente no papel e na web e, depois, apenas online.

Minha inspiração original para a coluna sempre foi o trabalho original de Martin Gardner (e, depois, Michael Shermer)  para a edição-matriz da Scientific American, além das investigações conduzidas ao longo de décadas por Joe Nickell e reunidas em diversos livros.

Não fui um pioneiro desse tipo de atividade no Brasil: durante muito tempo, Kentaro Mori carregou a tocha do ceticismo nacional praticamente sozinho, e creio que o pessoal do Ácido Cético, da UFRGS, já estava na estrada bem antes de eu assinar meu primeiro texto jornalístico de ceticismo -- uma crítica da astrologia (será que todo cético começa assim?), publicada no antigo website da Agência Estado, mais anos atrás do que eu gostaria de me lembrar. O jornalista Ricardo Bonalume Neto chegou a manter uma coluna de ceticismo na Revista da Folha, no começo do século. Isso sem falar na velha Sociedade da Terra Redonda, entre outras iniciativas.

 Quando surgiu, a coluna da Galileu veio como a realização de uma ambição pessoal antiga. Imagino que todas as pessoas que têm um emprego menos do que satisfatório, mas aparentemente seguro e bem remunerado -- no meu caso, o de editor de Ciência e Meio Ambiente do Portal Estadão --, sonham com o que fariam se um dia tivessem um bom pretexto para se livrar dele.

No meu caso, o pretexto veio sob a forma de uma demissão por corte de gastos, em 2010, e a primeira coisa que fiz foi escrever um livro de divulgação científica de orientação cética, O Livro dos Milagres, e co-escrever outro, o Pura Picaretagem.

O convite para colaborar com a Galileu veio mais ou menos na mesma época em que o Picaretagem estava saindo. As coisas pareciam promissoras para uma iniciativa jornalística profissional de ceticismo científico ("profissional" no sentido de remunerado, e em oposição a voluntário, não necessariamente a amador) na mídia mainstream, mas enfim, a economia brasileira sendo o que é, "promissor" é um conceito bem relativo.

Com o fim da coluna, é provável que parte do material que eu vinha reunindo para edições futuras acabe aparecendo neste blog. Ou que eu resolva usar o tempo livre para finalmente levar adiante meu terceiro livro de divulgação e ceticismo, agora sobre fenômenos espiritualistas (estou parado no meio do capítulo sobre Leonora Piper, tentando decidir quanto espaço devo dedicar a Madame Blavatsky e reunindo ânimo para seguir adiante e mergulhar no século 20). Ou para escrever mais ficção.

A coluna do dia 29 trará uma breve nota de despedida e agradecimento, que reitero aqui. Obrigado a quem acompanhou ao menos parte daquela quase-centena de textos. E até mais!

Comentários

  1. A contenção de despesas sempre pega primeiro a parte de maior qualidade... : (

    Dava pra montar uma enciclopédia com o material que você, Mori, Bona e cia. produziram.

    []s,

    Roberto Takata

    ResponderExcluir
  2. Ah, apesar desses cortes e surpresas, bom que o seu trabalho fica preservado aqui e acolá como sério.

    ResponderExcluir
  3. Tente organizar os textos publicados, seguindo alguma ordem lógica por assunto como um "fio condutor", e publique como um livro. Ou um e-book :)

    ResponderExcluir
  4. É uma triste notícia, fiquei sabendo da coluna há alguns meses e desde então vinha acompanhando semanalmente. Tanto que seus textos também me inspiraram a reativar meu blog de ciência que estava parado há vários meses, com o objetivo de auxiliar também na divulgação de ceticismo e ciência http://cienciaeliberdade.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. A Galileu é decepcionante. Confesso Orsi, uma, duas ou mais coisas: acompanhava você mais pela Galileu do que pelo seu blog pessoal, (com raridade a Galileu traz algumas outras matérias interessantes, como os textos de Gleiser, mas me parecia que o material do Olhar não eram postados no Blog pessoal), agora passarei a frequentar seu blog, aguardando encontrar um pouco do Olhar. A Galileu talvez, de inicio, continue a frequentar pelo habito que adquiri, mas creio que isso tenderá a se extinguir.
    Descobri o Olhar tarde, e descobri a Galileu através do Olhar, e não o contrario, como seria de se esperar. E, de fato, o que me moveu a tornar a Galileu minha pagina inicial do navegar foram seus textos. Assim como no trabalho, na faculdade e nos grupos de amigos mencionei incontáveis vezes seu nome e sua coluna, e por tabela a Galileu, a alguns amigos chegava a dizer ”por favor, procure este blog cara, você vai me agradecer", e agradeciam.
    Tive que duelar com a atualização automática da Galileu para voltar as páginas da coluna e poder ler as matérias anteriores, não foi fácil, mas creio que venci.
    Quando vi a coluna Olhar Cético em um site chamado Galileu, achei incrível: um site que utilize esse nome tem, em minha visão, a obrigação de manter um espaço para a difusão do pensamento cético.
    Nunca comentei um texto seu. Lá já tentei mas a caixa de dialogo é chata que dói, inclusive tetei comentar algo parecido com o que estou tentando comentar aqui e ao que parece censuraram. Enfim, este comentário não é chantagem emocional ao pessoal da Galileu, nem estou "putinho", isto seria ridículo. Estou decepcionado. Admiro seu trabalho Orsi. Procurarei seus livros, muito grato.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OI, Cesar! Eu que agradeço, tanto o interesse em meu trabalho quanto a audiência fiel! Ainda não sei exatamente se, e como, vou levar o trabalho da coluna adiante -- os artigos demandam (demandavam) um tempo razoável de pesquisa, reflexão e escrita, e a disciplina de ter de entregar o texto semanal para a revista me ajudava a segurar o ritmo. Acho que vou ficar um tempo só com o Telescópio (a coluna sobre ciência internacional que faço pro Jornal da Unicamp), mas é bem provável que eu volte ao ceticismo em breve. Tem coisas que ficam no sangue! :) Abs!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"Fosfo da USP" volta a dar chabu em testes oficiais

Baleia ou barriga?

O financiamento público da pseudociência