Violência e Morte em Marte

Entre os anos de 1996 e 2013, produzi muito jornalismo sobre Marte. Muito. Da missão Sojourner, o primeiro jipe-robô a passear pelo planeta vermelho, aos "gêmeos" Spirit e Opportunity, o satélite Mars Reconnaissance Orbiter, a Phoenix (primeira sonda a encontrar água na superfície de Marte, com cientistas brasileiros na jogada, e sobre a qual escrevi uma reportagem um tanto quanto poética) ao atual robô Curiosity, passando pelos tristes fracassos da missão europeia Beagle, da americana Mars Polar Lander e de praticamente tudo o que a Rússia tentou em termos de exploração marciana, li e escrevi vários milhares de palavras a respeito, além de participar, por telefone ou e-mail, de entrevistas coletivas da Nasa e de falar com pesquisadores envolvidos.

Tudo isso, claro, algum dia ia acabar virando ficção, e embora minha "grande" história sobre Marte ainda esteja para ser escrita, o conto Lamento de Suas Mulheres, agora, encontra-se disponível para Kindle. Se bem me lembro, a história apareceu online em algum momento no início deste século, mas nunca cheguei a usá-la em nenhuma das antologias de que participei, nem a incluí-la em meus livros solo.

Você pode me chamar de oportunista por fazer essa publicação bem agora que o filme Perdido em Marte se prepara para estourar nas bilheterias, e eu provavelmente teria de escutar calado. Em minha defesa, no entanto, acrescento que histórias de engenhosidade humana versus ambientes hostis de outros mundos têm uma tradição forte na ficção científica, e se você curte esse tipo de coisa e lê em inglês, por favor corra atrás destes contos de Geoffrey Landis, já!

Assim como meu conto Diamante Truncado, Lamento é uma "produção independente" para a plataforma Kindle Direct Publishing, ou "KDP", para os íntimos. As capas ficaram parecidas -- numa foto do corpo do Sistema Solar onde a narrativa se passa, com o título sobreposto -- e estou imaginando se não seria divertido começar uma série exclusiva para KDP com um conto passado em cada astro do Sistema Solar que a Nasa já tenha fotografado de perto, incluindo luas, cometas e asteroides. Quem sabe? Cartas para a redação!

Como já disse antes, essas experiências com o KDP não significam uma rejeição aos canais de publicação tradicionais, e nem uma postura de confronto com o mundo editorial. A parte principal do meu catálogo de ficcionista continua na Editora Draco, e estou bem contente com isso.

Que mais posso dizer sobre Lamento? Muito pouco, acho, sem dar spoiler. Só acrescento que a epígrafe de Genghis Khan que abre o conto, e que a maioria das pessoas deve associar à versão abreviada que aparece no filme Conan, o Bárbaro, vem da biografia do conquistador mongol escrita pelo autor de fantasia histórica Harold Lamb, um cara que todo mundo devia conhecer.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Baleia ou barriga?

O financiamento público da pseudociência

Design Inteligente é propaganda, não ciência