Doutor Estranho

Meu herói favorito da Marvel sempre foi o Doutor Estranho. Se não por outro motivo, o Mestre das Artes Místicas é um cara que tem uma imensa biblioteca, que tira seus poderes, em última instância, de livros e que valoriza o conhecimento acima de tudo, como se vê no quadrinho abaixo, desenhado por Barry Smith (roteiro de Stan Lee) -- e que vem, aliás, da primeira história do Dr. Estranho que li, publicada no Brasil pera Editora Abril quando a maioria dos leitores desta postagem ainda não tinha nascido:


Alguém poderia imaginar que o fato de Stephen Strange ser um médico que abandonou a ciência para se dedicar ao esoterismo e à magia acabaria me fazendo sentir alguma antipatia por ele, mas esse não é o caso: o fato é que no Universo Marvel a magia e o esoterismo funcionam, o que faz da escolha de carreira do Dr. Estranho algo perfeitamente aceitável e racional. Como se diz por aí, medicina alternativa que funciona não é alternativa, é medicina.

Gostei bastante do filme recente com Benedict Cumberbatch ("spoilers" adiante, considere-se avisado)

A maior parte das resenhas que li e que tentaram vincular a película às HQs cita o visual extradimensional criado por Steve Ditko, nos anos 60, para o universo de Strange e o roteiro da graphic novel "The Oath" ("O Juramento"), uma obra relativamente recente, em que a forma astral de Strange tenta orientar uma médica que, por sua vez, tenta salvar a vida do mago:

  
Mas o filme bebe mais fundo do que isso na longa carreira do personagem, publicado pela primeira vez em 1963. Uma das peças-chave do filme, O Livro de Cagliostro, pertence à fase em que Estranho esteve a cargo da dupla criativa Steve Englehart/Frank Brunner, do início dos anos 70.





Cagliostro é parte da "Gênese de Sise-Neg", história em que ficamos sabendo que o "Deus" que aparece no Livro do Gênese da Bíblia é, na verdade, um mago louco vindo do futuro. Essa foi uma história polêmica, para dizer o mínimo. Reza a lenda que Stan Lee exigiu que Englehart incluísse uma errata na edição seguinte da revista, mas os autores teriam forjado uma carta de um ministro religioso elogiando a história, e a errata nunca saiu."Sise-Neg" foi publicada no Brasil, mas a equipe de tradução da Abril tomou a atitude preventiva de mutilar o texto para eliminar a heresia.

Englehart/Brunner voltaram a mexer na onça da religião com vara curta em outra história, a do vilão Adaga de Prata, um cristão fundamentalista dedicado a caçar bruxos e adoradores do diabo. Mais uma vez, a edição brasileira suavizou bastante o texto. Esta história foi, para mim, especialmente memorável porque foi nela que, pela primeira vez, vi o nome "Necronomicon":




No universo cinematográfico, o personagem Mordo parece destinado a assumir um papel próximo ao que o Adaga de Prata desempenhou nos quadrinhos, mas desvinculado das raízes cristãs. Imagino que, entre deuses nórdicos e magos, a Marvel Studios não queira oferecer nenhuma provocação direta ao lobby fundamentalista.

A morte do Ancião, outro ponto importante do filme (onde ele é a Anciã), também acontece nessa fase, quando Strange enfrenta a criatura lovecraftiana Shuma-Gorath. E, assim como no filme, revela-se uma conexão insuspeita entre o mentor do Mestre das Artes Místicas e o monstro extradimensional.

Já o confronto de Stephen Strange com Dormammu, culminando no juramento do demônio de que jamais tentaria anexar a Terra novamente, é pura vintage Lee-Ditko:



Ao longo das décadas, o Dr. Estranho revelou-se um personagem versátil, desempenhando papéis que vão do de viajante psicodélico por realidades alternativas ao de caçador de vampiros (na fase, que não me pareceu contemplada -- ainda -- no cinema, em que as histórias eram escritas por Roger Stern) detetive sobrenatural e até, por um período felizmente bem curto, super-herói em linhas mais tradicionais:


Espero que a série cinematográfica do personagem se desdobre de modo a explorar a maior parte dessas potencialidades. A versão detetive sobrenatural -- em que Strange é chamado a resolver mistérios que afetam a vida de pessoas comuns -- tem um potencial intrigante e marca um bom contraponto às ameaças cósmicas.

Comentários

  1. Postagem excelente! Havia algumas facetas do personagem nos quadrinhos que eu não conhecia.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"Fosfo da USP" volta a dar chabu em testes oficiais

O financiamento público da pseudociência

Baleia ou barriga?