No espaço, ninguém pode ouvir sua galáxia gritar


Imagine um vento forte o bastante para desbastar todo o solo de uma região, deixando para trás apenas o leito rochoso estéril. O Observatório Espacial Herschel, da Agência Espacial Europeia (ESA), encontrou uma tempestade semelhante no espaço, e em escala galáctica: fluxps de moléculas deslocando-se a mais de 100 km por segundo, a partir no núcleo de galáxias em processo de fusão.

De acordo com nota divulgada pela ESA, esses vemntos são intensos o bastante para eliminar todo o suprimento de gás e poeira, levando à interrupção dos processos de formação de estrelas e de crescimento do buraco negro central de cada galáxia. Como a pressão responsável pelos ventos é gerada, exatamente, pela explosão de estrelas e pelo crescimento do buraco negro, o processo todo opera como um ciclo de feedback, onde a atividade galáctica intensa contribui parao próprio fim.

A imagem acima é uma ilustração dos fluxos de gás e poeira partindo de uma galáxia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Baleia ou barriga?

O financiamento público da pseudociência

Design Inteligente é propaganda, não ciência