Lendo gente de quem discordo

Por conta de alguns projetos que, se Eris e Dysnomia quiserem, devem dar frutos no ano que vem -- e também por uma medida de arejamento mental -- ando metido, nos últimos tempos, na leitura de uma série de livros de autores com quem tenho discordâncias profundas. Nesta sexta, aproveitando o feriado do servidor público, peguei, de uma sentada só, o clássico Dynamics of Faith, de Paul Tillich.

Tillich, já falecido, é considerado um dos principais teólogos cristãos do século passado, e um símbolo do tipo de teologia sofisticada e intelectualmente responsável que muita gente cita em oposição às "caricaturas grosseiras" supostamente construídas por Richard Dawkins e Christopher Hitchens em seus ataques à religião. Mas, afinal, o que é uma teologia sofisticada? Num dado momento, discutindo a existência de Deus, Tillich escreve:

"Se 'existência' se refere a algo que possa ser encontrado dentro da totalidade da realidade, então nenhum ser divino existe". Ora bolas, até eu concordo com isso. E até aposto que Dawkins e Hitchens, também.

O livro é, de fato, um exercício semântico no qual o autor busca redefinir fé, salvando-a da acepção "absurda" de "crença na ausência de evidências", o que não passaria de uma "forma inferior de conhecimento", e passa a tratá-la como "um compromisso definitivo e absoluto" (ultimate é a palavra que ele usa, no original em inglês).

Esse "compromisso" seria o princípio organizador da personalidade do indivíduo, a prioridade à qual ele subordina todas as outras prioridades de sua vida.

Daí ele deduz que uma pessoa sem fé é uma impossibilidade, que mesmo alguém que tenha desistido de se importar com o sentido da vida cedo ou tarde acaba sucumbindo ao imperativo de encontrá-lo -- isto é, à fé. E que, claro, as pessoas que argumentam contra a fé dos outros na verdade o fazem motivadas por uma fé própria, o que torna impossível refutar qualquer tipo de fé.

Se você sentiu o aroma da Falácia do Verdadeiro Escocês, não foi o único.

A favor de Tillich, é preciso dizer que essa conceptualização mais generalizada de fé que ele oferece tem algumas vantagens, a despeito de se prestar ao uso falacioso apontado acima.

Como o próprio autor reconhece, algo que seja o princípio organizador fundamental da vida e da personalidade de uma pessoa tem um forte potencial para também ser a chave de um enorme baú de atrocidades -- já que todas as demais considerações, como verdade, justiça e compaixão estão subordinados a esse princípio, que pode ser, por exemplo, o sucesso financeiro, a honra da família, etc.

Tillich então distingue entre fé -- o compromisso definitivo da vida -- e o objeto da fé -- a coisa com que a pessoa que tem fé está comprometida. Sendo um teólogo cristão, ele logo trata de estabelecer uma distinção entre o absoluto ("ultimate") -- que seria o objeto ideal da fé, e do qual Deus é um símbolo -- e os ídolos, os objetos inadequados, que incluem dinheiro, poder, nação, família e, mais importante, os símbolos do absoluto que passam a ser tomados pelo absoluto.

É esse último tipo de idolatria, diz ele, que leva ao fanatismo religioso, à violência religiosa, etc. É à tendência humana à idolatria, também, que ele atribui as tentativas de "usar o absoluto em proveito próprio, como nas práticas mágicas e preces". Nessa acepção, provavelmente 99,9% da cristandade é composta por idólatras.

Se você está esperando uma definição clara do "absoluto", não prenda a respiração. Ele é o amor, a justiça, a verdade; a fundação de todo o ser; aquilo de que fomos separados e a que ansiamos por retornar; a intuição do infinito; entre outras coisas. Pessoalmente, ao longo do texto, fiquei com a impressão de que, no fundo, se trata de mistura de medo da morte com nostalgia do útero.

Falando no texto: é uma leitura agradável e, com o perdão da palavra gasta, instigante. Tillich peca, a meu ver em dois pontos: ao cometer uma generalização injustificada, afirmando que nenhum ser humano pode viver por muito tempo sem uma grande preocupação central em sua vida -- ele nunca leu o Eclesiastes? -- e, também, por paroquialismo, ao afirmar que, de todas as formas organizadas de expressar essa preocupação -- "fé" -- o cristianismo protestante é a que menos risco oferece de descambar para a idolatria.

Enfim, se todos os cristãos fossem tillichianos, não teríamos uma bancada evangélica e nem o Vaticano estaria sabotando programas de planejamento familiar pelo mundo. A respeitabilidade intelectual da empreitada ainda seria altamente questionável, mas o mundo provavelmente seria um lugar melhor.

Comentários

  1. Digo o mesmo sobre o C. S. Lewis. Se o cristianismo fosse aquela coisa linda que ele descreve em "Mere Christianity" o mundo seria um lugar melhor.

    ResponderExcluir
  2. Me gusta mucho lo tuyo.
    Leo poco a poco
    Gracias por dejar que torpes como yo aprendan.
    Me puse como seguidor. Te espero como seguidor si así lo crees. Es más fácil encontrarse.
    Un abrazo

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"Fosfo da USP" volta a dar chabu em testes oficiais

Baleia ou barriga?

O financiamento público da pseudociência