Semana cheia: utopia e lançamento!

Esta semana transcorrerá, como costumavam dizer antigamente, em ritmo febril. Na terça-feira, tem a Jornada de Estudos sobre Utopia e Ficção Científica, na Unicamp, que vai tratar de temas que vão da obra de Octavia E. Butler a Berilo Neves, e na qual terei uma modestíssima participação, num diálogo com o pesquisador Alfredo Suppia sobre como é fazer ficção científica no Brasil.

Imediatamente depois, na quarta-feira, acontece o esperadíssimo (ao menos, para mim) lançamento de O Livro dos Milagres, obra que escrevi em ritmo frenético no início deste ano e que a Vieira & Lent, num esforço heroico, conseguiu pôr no mercado em menos de nove meses.

 Já escrevi sobre o livro neste blog anteriormente, mas talvez alguns dos meus leitores não saibam que uma espécie de "capítulo-trailer" está disponível no Amálgama.

Blogagem autobiográfico/confessional sempre me pareceu uma coisa meio babaca -- uma das minhas implicâncias com a literatura contemporânea é a de que, se eu quiser saber das angústias e agruras de um brasileiro de classe média, desajeitado, meio tímido e com pretensões intelectuais, não preciso ler 300 páginas de prosa pretensiosa, é só prestar atenção na minha própria vida -- mas, enfim, o fato é que Milagres tem um significado especial para mim.

Claro, todo livro tem um significado especial para o próprio autor, mas este é realmente mais especial que os demais. Não só porque é minha primeira obra de não ficção, mas também porque marca o fim de um ciclo na vida e, espero, o início de outro.

Concebi o livro numa noite de insônia, mais ou menos uma semana depois de perder o emprego. O clichê de estar subitamente desempregado na virada dos 39 para os 40 anos deu uma certa gravidade ao momento, mas não só: já fazia algum tempo que eu vinha reclamando (comigo mesmo e, crucialmente, com minha infinitamente paciente esposa) que eu me sentia velho (ou sábio, ou rabugento) demais para continuar a escrever sobre os outros achavam importante -- que é, basicamente, o que o jornalista assalariado faz: alguém, o pauteiro, o editor, o dono, decide que "X" é relevante, interessante, vai vender jornal, etc., e o jornalista se desincumbe da tarefa de produzir conteúdo sobre "X".

Para ser perfeitamente justo, em geral há um amplo espaço para negociação aí, e as sugestões do jornalista quase sempre são levadas em consideração. Mas, ainda assim: o repórter nunca tem a prerrogativa da última palavra. A liberdade de perseguir os próprios interesses é sempre condicional. Resumindo: depois de 20 anos de carreira, e mesmo gozando de ampla liberdade, essa, digamos, letra miúda do contrato me incomodava, e cada vez mais.

Nesse aspecto, a noite que, desempregado, passei em claro concebendo O Livro dos Milagres foi meu momento de, como dizem os americanos, "put my money where my mouth is", ou, bancar minhas pretensões: eu não iria procurar outro emprego. Eu iria usar o tempo que tinha para escrever o que queria, do jeito que queria, e pronto. Iria apostar meus recursos numa tentativa de comprar o direito pleno de ser um quarentão rabugento.

O resultado desta aposta começa a sair agora, nesta quarta-feira. Vamos ver no que dá.

Comentários

  1. Talvez isto não importe, mas eu acho que será seu livro que terá mais exemplares vendidos

    ResponderExcluir
  2. Gostei do que li no "capítulo-trailer"

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Baleia ou barriga?

O financiamento público da pseudociência

Design Inteligente é propaganda, não ciência