Decálogo do curandeiro carismático bem-sucedido

Passei boa parte da manhã desta terça-feira dando depoimento para um documentário de TV a respeito de curas milagrosas, que deve ir ao ar no fim do ano (escrevi um livro que, entre outras coisas, também é sobre isso, afinal) e, estimulado pelas perguntas feitas pelo produtor encarregado de me entrevistar, acabei organizando na cabeça uma espécie de receita para o culto milagreiro típico.

A existência de uma tecnologia específica -- psicológica, cenográfica, etc. -- para os grandes espetáculos catárticos que se veem em muitos dos eventos carismáticos ou neopentecostais já havia sido detectada por vários investigadores (o tratamento definitivo da questão está em Faith Healers, de James Randi), mas acho que eu, pessoalmente, nunca havia parado para montar uma lista fechada de procedimentos. Supondo que ela possa interessar aos leitores do blog, ei-la:

1. Reduzirás teu público a vaquinhas de presépio


As pessoas que vão a uma cerimônia religiosa, em geral, já estão predispostas a aceitar docemente tudo que a figura de autoridade -- padre, pastor, bispo, apóstolo, etc. -- disser, mas não custa reforçar isso. É útil, para tanto, pontuar sua preleção com perguntas meio bobas, questões retóricas cuja resposta é obviamente "sim" ("Jesus quer salvar a todos, não é, pessoal?"; "Vocês estão me entendendo, amém?"; "A gente tem que cumprir o que promete, não é mesmo?"). Esse adestramento contínuo facilita a obtenção de reações favoráveis quando questões mais espinhosas surgirem à frente ("Você vai pôr a nota mais alta que tiver na carteira no envelope, amém?" ou "Ela está curada! Vocês estão vendo que ela está curada, não estão?").

2. Isolarás os deformados e os incuráveis


Pessoas cujos problemas de saúde são evidentes a olho nu e obviamente incuráveis ou irreversíveis -- amputados ou portadores de algumas síndromes genéticas, por exemplo -- jamais terão acesso ao palco, púlpito, tablado ou onde quer que esteja localizado o curandeiro e/ou oficiante do culto.

3. Facilitarás o acesso às cadeiras de rodas

Este truque é tão velho que já aparece no filme Entre Deus e o Pecado, de 1960: tenha um número razoável de cadeiras de rodas desocupadas à mão (podem ser alugadas ou de propriedade da sua igreja) e faça com que seus obreiros ou sacristões ofereçam-nas às pessoas mais idosas, fracas ou combalidas que chegarem para o culto. Pessoas que caminham com dificuldade, usando bengalas, também são bem-vindas aos assentos móveis. Depois, quando a excitação do público chegar ao momento certo para um agrande catarse, peça aos que estão em cadeiras de rodas que se levantem. O efeito é dramático.

4. Monopolizarás o microfone


A sua voz deve ser a única ouvida de modo claro e distinto durante todo o evento. Eventualmente, algumas pessoas "curadas" poderão ser chamadas a dar depoimentos, mas o microfone jamais deixará a sua mão, e você jamais perderá a oportunidade de interromper o depoente e/ou de pôr palavras em sua boca: "A doença era horrível, mesmo, não?"; "Ela estava desenganada, totalmente desenganada, não é verdade?"

5. Abusarás de meias-verdades e insinuações


Frases como "Está me vendo agora?" insinuam que a pessoa entrevistada era cega, mas sem afirmá-lo. Associado ao Quarto Mandamento, que garante que o entrevistado não terá a oportunidade de contestar a ilação, mesmo que queira, e ao Primeiro, que praticamente garante que ele não iria querer, de qualquer modo, o truque tem um grande impacto. Outros usos da regra incluem gritar "Olha o paralítico curado!", quando alguém se levanta de uma cadeira de rodas (mesmo se o Terceiro Mandamento não tiver sido usado, é improvável que todas as  pessoas em cadeiras de rodas presentes sejam, de fato, "paralíticas").

6. Criarás uma grande comoção


O grande culto de cura e libertação, ou como quer que prefira chamá-lo, deve ser um espetáculo catártico, onde a adrenalina e as endorfinas jorram copiosamente, aos borbotões. Isso não só garantirá o alívio momentâneo de uma infinidade de sintomas -- úlceras que de repente pararão de incomodar, pessoas fracas demais para parar em pé subitamente levantando-se, depressões temporariamente debeladas -- como ainda tornará mais eficaz o embotamento do senso crítico trazido pelo Primeiro Mandamento.

7. Darás às pessoas papéis a desempenhar


Além de ser um espetáculo catártico (vide Mandamento anterior), o grande culto é também um grande teatro de improviso, que tem no oficiante seu foco, seu diretor. Assim como o fã, num show de rock, rapidamente intui, a partir do que ocorre no palco, o papel que se espera dele -- pular, dançar, gritar histericamente, erguer o isqueiro aceso, cantar junto --, o participante do culto também capta as deixas vindas do tablado e age de acordo, seja falando em línguas, gritando "aleluia!" ou rolando pelo chão como um endemoinhado.

8. Atribuirás tudo ao Senhor


Sempre deixe bem claro que as curas não são obra sua, que você é apenas um condutor de poderes que vêm de Jesus (ou de qualquer outra das Pessoas da Trindade, ou de Maria). Não só essa aparente humildade ajudará a tornar sua figura mais simpática perante a congregação, como ainda permitirá que você se desembarace de fracassos que, eventualmente, venham a público: não fui eu que falhei, foi Deus quem quis assim.

9. Cobrarás um preço


Claro. O Senhor faz maravilhas, mas não vá ficar esperando que ele trabalhe de graça. Geralmente o "preço" é apresentado como algo emocional ou devocional -- é preciso amar, obedecer, seguir, idolatrar, adorar, etc., a Deus -- mas, curiosamente, de algum modo todas essas emoções e devoções, cedo ou tarde, acabam assumindo valores monetários.

10. Culparás a vítima


Se, mesmo depois de aplicados os filtros proporcionados pelos Mandamentos Primeiro, Segundo, Quarto, Quinto e Oitavo, algum tipo de contestação séria chegar aos ouvidos de seus fiéis, diga apenas que o desfavorecido não teve fé suficiente, insistiu/recaiu no pecado e, por isso, teve a graça negada/retirada.

Comentários

  1. Com um pouco de treino, já posso abrir uma igreja! Você deveria escrever um livro (detalhando mais todos os passos) chamado: Como enriquecer na fé (dos outros).

    ResponderExcluir
  2. Tinha um conhecido meu que dizia ter visto um pastor regenerar uma perna amputada. Ele deu detalhes, dizendo que viu a carne e os ossos sendo reconstruídos. Pouco tempo depois, esse conhecido roubou um celular. Confiável, né? :)

    ResponderExcluir
  3. Olá, Carlos!

    Escrevi também um texto sobre charlatanismo e usei partes deste texto como citação, e dei seu crédito.

    http://omundocomthiagovieira.wordpress.com/2012/05/14/arte-e-ciencia-do-charlatanismo/

    ResponderExcluir
  4. A pouco mais de uma semana comprei " O livro dos Milagres" em uma livraria megastore aqui de São Paulo. Gostei muito do livro especialmente sobre as aparições de Fátima e sobre a questão de falar em linguas. Mas senti falta de um um capitulo sobre a beatificação e o milagre do papa João Paulo 2º, sei que ja foi abordado no blog, mas é um topico tão interessante que poderia e que poderia ser abordado com mais detalhes. Parabens pelo livro.
    Chris

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"Fosfo da USP" volta a dar chabu em testes oficiais

A maldição de Noé, a África e os negros

Primeiros testes: "fosfo da USP" não funciona e não é "fosfo"