De passaportes e de leis

"Todos os homens serão livres para professar e, por meio de argumentos, defender suas opiniões em questões de religião, e essas opiniões de modo algum irão diminuir, aumentar ou afetar suas capacidades civis".

A frase acima não é de nenhum neoateu radical, mas faz parte do Ato de Estabelecimento da Liberdade Religiosa da Virginia (EUA), proposto por Thomas  Jefferson em 1779, mas aprovado apenas em 1786. A redação avança, em alguns pontos importantes, para além de outra peça histórica de legislação sobre liberdade religiosa, o Édito de Torda, assinado pelo rei João Sigismundo da Transilvânia em 1568:

"Nenhum dos superintendentes ou outros abusarão dos pregadores, nem ninguém será desprezado por sua religião por ninguém, de acordo com os estatutos, e não se permite que ninguém ameace quem quer que seja, com a prisão ou perda de cargo, por causa de seus ensinamentos".

O Édito de Torda veda a perseguição religiosa, e o faz de forma limitada: a íntegra do decreto deixa claro que a liberdade garantida ali é limitada aos pregadores do cristianismo; já o texto de Jefferson fala de "opiniões religiosas", o que inclui do paganismo ao ateísmo e à adoração de deuses astronautas ou de LOL Cats, e veda também o privilégio religioso: ele proíbe não só que o Estado prejudique uma pessoa por conta de sua fé (ou ausência de), mas também que a privilegie: "Essas opiniões de modo algum irão diminuir, aumentar ou afetar suas capacidades civis"

O que a concessão desbragada de passaportes diplomáticos pelo Itamaraty a líderes religiosos, sejam prelados católicos ou empresários do televangelismo, mostra, portanto, é que em termos de evolução da liberdade religiosa nós, brasileiros, estamos perdidos em algum ponto do caminho entre os séculos XVI e XVIII. 

Não que o caminho seja fácil: a lei de Jefferson levou quase dez anos para ser aprovada, e antes que ela passasse outro grande líder histórico da luta pela separação entre Estado e religião, James Madison, teve de se bater contra uma peça legislativa que buscava criar, na Virgina, um imposto para garantir o sustento dos disseminadores da religião cristã (levando-se em conta que o passaporte diplomático sai do dinheiro dos contribuintes... Bom, deixa pra lá). 

Na luta contra a lei do imposto cristão, Madison redigiu seu épico Memorial e Advertência contra Taxações Religiosas, texto que, temo, em breve terá de ser traduzido, adaptado para a realidade local e lido em voz alta nas casas legislativas do Brasil, supondo-se que seja possível encontrar algum político com tutano para fazê-lo. Escrito do ponto de vista de um cristão e dirigido a outros cristãos, ele constrói um caso meticuloso contra a subvenção pública da atividade religiosa.

"Um governo justo (...) será melhor sustentado ao proteger cada Cidadão no desfrute de sua religião com a mesma mão igualitária com que protege sua pessoa ou sua propriedade; ao nem violar os direitos iguais de uma seita, e nem permitir que uma seita viole os de outra".

Numa passagem mais inflamada, Madison compara a subvenção pública da religião a uma forma de perseguição: "[O imposto] degrada, da igualdade entre os cidadãos, todos aqueles cujas opiniões a respeito de religião não se dobram às da autoridade legislativa. Distante como possa ser, em sua forma atual, da Inquisição, difere dela apenas em grau."

Alguém poderia se sentir tentado a reduzir a questão a um simples problema de democratização do privilégio. Essa é uma solução bem brasileira -- nas palavras de Millôr Fernandes, "ou se instaura a moralidade, ou nos locupletemos todos". 

Em resumo: se rolar um passaportezinho de primeira classe para todos os pastores, todos os bispos, pais-de-santo e monges budistas, para as lideranças GLBT, para os presidentes das LiHS e da ATEA e (por que não?) para este blogueiro e sua senhora, não ficaríamos todos numa boa?

Não, não ficaríamos. A função do passaporte diplomático é facilitar o trânsito internacional de pessoas que representam oficialmente o país, não comprar a boa vontade dos líderes de grupos de pressão organizados. Devia ser óbvio. Pena que, pelo jeito, não é.

Comentários

  1. Orsi, quanto mais te leio, mais te sigo.

    ResponderExcluir
  2. Orsi, beleza!

    Mudando de assunto,
    ce já viu esse vídeo?
    http://player.vimeo.com/video/54308739?badge=0

    Fala que é besteira rsrs

    Att,
    Tchelo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uau! Que montagem bem feita!

      Excluir
    2. Em uma rápida pesquisa encontrei uma análise sobre o vídeo : http://www.e-farsas.com/camera-de-seguranca-flagra-teletransporte-na-china.html

      Aproveitando o gancho, para saber sobre experimentos reais sobre teletransporte sugiro pesquisar sobre teletransporte de átomos, algo que ocorreu em 2004 devido a trabalhos de cientistas austríacos e americanos.

      MMO

      Excluir
    3. Lembro de ter visto, se não me engano era um fóton né?!

      Tchelo

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"Fosfo da USP" volta a dar chabu em testes oficiais

A maldição de Noé, a África e os negros

Primeiros testes: "fosfo da USP" não funciona e não é "fosfo"