Fundação: a edição definitiva

Hoje é aniversário de Isaac Asimov, um dos mais influentes escritores de ficção científica do século passado. Se estivesse vivo, ele estaria completando 93 anos. Asimov morreu de aids em 1992, vítima de uma transfusão de sangue contaminado. Ano passado, escrevi sobre sua obra mais famosa, a trilogia Fundação original, então esta nota é apenas para registrar a publicação de uma nova edição desses livros, agora pela Folio Society, um grupo britânico que produz edições de luxo de clássicos, literários ou acadêmicos. Abaixo, uma imagem das capaz dos três volumes:


E, aqui, uma amostra das ilustrações internas, também de autoria de Alex Wells:



Para além do trabalho gráfico, no entanto, a principal estrela dessa edição luxuosa é a introdução do livro, de autoria do ganhador do Nobel de Economia Paul Krugman, que já havia declarado várias vezes que a leitura de Fundação havia inspirado seu interesse pelas ciências sociais em geral, e pela economia, em particular. Krugman não é o único ganhador do Nobel de economia a reconhecer a influência de Asimov em sua carreira, aliás, mas certamente é o mais generoso em reconhecer o papel de Fundação em sua vida.

 O texto de Krugman para a edição da Folio foi publicado no jornal britânico The Guardian, e merece ser lido. Nele, o economista não reluta em reconhecer as limitações do estilo asimoveano -- "se você está procurando um desenvolvimento delicado dos personagens, é melhor ir ler Anna Karenina" -- mas também não cai na tentação da condescendência. Quando trata das qualidades do livro, é sem ressalvas irônicas ou piscadelas para a crítica "séria". Por exemplo:

"A despeito da ausência de ganchos narrativos convencionais e, na maior parte, de heróis ou de vilões, os romances da Fundação são profundamente emocionantes -- cheios de suspense, absorventes e, se me permitem, alegremente cínicos. Porque a ausência de ganchos convencionais não significa a ausência de ganchos inconvencionais".

Krugman vê em Fundação, a saga de um grupo de cientistas tentando "surfar" nas ondas da psico-história, que seria a ciência social definitiva, capaz de prever o desenvolvimento das civilizações como a física prevê o comportamento dos gases, um "paralelo irônico" com as histórias de fantasia que giram em torno do cumprimento de uma profecia -- o menino destinado a ser rei, por exemplo.

"Mas se os livros da Fundação são um conto de profecia realizada, trata-se de uma versão muito burguesa de profecia. Não se trata de um conto de um herdeiro secreto recebendo sua herança, ou de um espadachim invencível ganhando o dia com sua perícia. Asimov claramente despreza a aristocracia e o militarismo".

Mas a vitória final não pertence aos burgueses também, nota o autor da introdução: em Fundação, não há vitória final, apenas o devir da evolução humana. "Os romances da Fundação não tratam realmente da galáxia, nem de viagens espaciais. Eles tratam da verdadeira fronteira final -- a compreensão de nós mesmos, e das sociedades que criamos."

Comentários

  1. Li a trilogia em um volume único, traduzido para o Português, que achei perdido na biblioteca do CEFET-PR no início da década de 90.

    Gostaria muito de adquirir essa maravilha de luxo, mas pagar 75 libras está fora de cogitação. lol

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"Fosfo da USP" volta a dar chabu em testes oficiais

Baleia ou barriga?

O financiamento público da pseudociência