O furo na pedra de Marte

Pó de rocha marciana, em coletor do jipe Curiosity

Muita coisa aconteceu nesta semana: a Yoani Sanchéz chegou ao Brasil, o PT fez festa de aniversário, o Aécio discursou... E a Nasa anunciou que, pela primeira vez na história, um instrumento criado pelo homem perfurou uma rocha localizada em outro planeta.

O press release está lá, datado de 20 de fevereiro, com o título seco e direto: "NASA Rover Confirms First Drilled Mars Rock Sample". A imagem, acima, mostra o pozinho produzido pela perfuração, que agora será peneirado e colocado nos instrumentos de análise química e física do jipe Curiosity.

Só para lembrar: lançado da Terra em novembro de 2011, o Curiosity pousou em Marte em agosto do ano passado, numa das mais radicais manobras radicais de todos os tempos, envolvendo o uso de um guindaste a jato. O vídeo abaixo, feito com base em imagens registradas pelo próprio jipe, mostra como foi a descida em Marte de um ponto de vista de primeira pessoa (o objeto que aparece caindo logo no início é o escudo térmico para entrada na atmosfera).


 

O Curiosity é um equipamento monstruoso, do tamanho de um automóvel pequeno, movido a energia nuclear. Ele está operando em outro planeta -- de acordo com o Wolfram Alpha, a distância atual entre Terra e Marte é de 350 milhões de quilômetros. E ele acaba de perfurar uma rocha ali, e em breve vai nos dizer o que ela tem por dentro. Talvez, vestígios de vida, hoje extinta? Possível, mas é bom evitar o excesso de otimismo.

O importante, por enquanto, é que, pela primeira vez na história, seres humanos poderão analisar (ainda que por controle remoto) o interior de uma rocha de outro planeta in situ, em vez de terem de esperar que as pedras cheguem até nós, como no caso de meteoritos marcianos como o infame ALH 84001, cujos supostos "vestígios de vida" alienígena parecem não ter convencido muita gente, para além dos próprios autores da descoberta (em anos recentes, cientistas brasileiros descobriram bactérias magnéticas na Antártida, o que pode vir a ter algum peso no debate sobre o ALH84001, já que os vestígios seriam fósseis de micro-organismos magnéticos).

Estruturas 'biológicas' encontradas no meteorito marciano
Enfim: Yoani, petistas e tucanos dominaram o noticiário. O furo da pedra em Marte mal foi notado. Agora, se algum dos eventos desta semana ainda for lembrado daqui a mil anos, em qual você apostaria? Talvez um dia um arqueólogo marciano, descendente distante de um de nós, reencontre "John Klein" (como foi chamada a pedra) e, notando nela o furo evidentemente artificial, trate de classificá-la como o primeiro artefato produzido por vida inteligente no planeta vermelho.


Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"Fosfo da USP" volta a dar chabu em testes oficiais

O financiamento público da pseudociência

Baleia ou barriga?