Quando o cara ganha um Nobel e começa a falar bobagem...

Há vários casos famosos, como o de Linus Pauling, cuja enorme autoridade -- ganhador de dois prêmios Nobel, e certamente um dos químicos mais importantes do século passado -- ajudou a lançar a indústria dos  (largamente inúteis, quando não perigosos) suplementos dietários de vitamina. Ou, em tempos recentes, Luc Montagnier, um dos descobridores do vírus HIV, que defendeu a "memória da água" e a associação entre vacinas e autismo. Mas há mais, muitos mais.

Por que isso acontece? E quem são os outros exemplos mais acintosos? Tudo isso eu conto numa reportagem para a revista Galileu de setembro, que deve estar chegando às bancas por estes dias e que também inclui um artigo meu sobre picaretagem quântica, na seção Olhar Cético.

A reportagem sobre os nobéis, por falar nisso, traz entrevistas que fiz com físico -- cético, racionalista, ateu e, também, nobelista -- Steven Weinberg, sobre as eventuais excentricidades de seus colegas de prêmio, e com David Gorski, autor do blog Science-Based Medicine e um dos principais críticos do uso do Nobel para a promoção de ideias pseudocientíficas.

Comentários

  1. Cientistas não estão livres de ideias estranhas. Não sei se há uma concentração maior entre os nobelistas - chegou a fazer essa comparação na reportagem?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não... Mesmo porque encontrar a taxa de "cranks" ente a população geral de não-nobelistas seria quase impossível. A hipótese que surge da apuração é de que a autoridade conferida pelo Nobel parece estimular a vinda à tona do "crank interior", digamos, liberando a criatividade, talvez necessária para se chegara o prêmio, das inibições e amarras que a tornavam realmente útil e produtiva.

      Excluir
  2. Levando em conta que o tempo de uma pessoa é finito e que o grau de esforço necessário para ter um trabalho digno de Nobel é muito alto, minha hipótese é que os ganhadores tendem a ser pessoas que se dedicaram muito tempo a sua pesquisa e praticamente nenhum a todo o resto.

    Por isso não eles teriam conhecimento acima do senso comum em qualquer assunto que seja muito diferente da sua pesquisa, o que abre espaço para pseudo-ciência. O peso do Nobel apenas dá mais voz e peso as suas opiniões, pois tendemos a crer que uma pessoa é simplesmente inteligente ou não, independente do assunto.

    ResponderExcluir
  3. "Há vários casos famosos, como o de Linus Pauling, cuja enorme autoridade -- ganhador de dois prêmios Nobel, e certamente um dos químicos mais importantes do século passado -- ajudou a lançar a indústria dos (largamente inúteis, quando não perigosos) suplementos dietários de vitamina."
    Receio que Linus Pauling foi injustiçado nesse comentário. Cada vez mais a humanidade se alimenta de porcarias processadas e sofre com o deficit de muitos nutrientes. Não seria mais pseudociência supor que a suplementação é dispensável?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, estevan! Há fortes indício científicos de que o excesso de antioxidantes, como vitamina C, estimula o desenvolvimento de tumores. As "porcarias processadas", muitas vezes, já vem com reforço de vitaminas de fábrica, até por questão de marketing; exceto em casos muito específicos, como o uso de ácido fólico por gestantes, a suplementação é inútil ou mesmo perigosa. E nem sou só eu quem diz isso, pode checar aqui: http://www.nytimes.com/2013/06/09/opinion/sunday/dont-take-your-vitamins.html?pagewanted=all

      Excluir
    2. Obrigado pelo esclarecimento, Carlos.
      Abraço!

      Excluir
  4. Puxa vida Orsi, eu estava desenvolvendo uma postagem justamente sobre cientistas falarem (ou fazerem) besteira de vez em quando. Pelo visto cheguei tarde... uahuahuahuahua...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"Fosfo da USP" volta a dar chabu em testes oficiais

A maldição de Noé, a África e os negros

Primeiros testes: "fosfo da USP" não funciona e não é "fosfo"