Cientistas nas redes sociais

O uso de redes sociais por cientistas para divulgar seu trabalho – seja com os pares ou com o público em geral – ainda é pequeno, mas os pesquisadores que adotaram plataformas como Twitter, Facebook e Linkedin veem diversas vantagens potenciais nesse tipo de interação, diz pesquisa realizada por estudiosos da Nova Zelândia e dos Estados Unidos, e publicada no periódico PLoS ONE.

A pesquisa, baseada num questionário online em língua inglesa e distribuído internacionalmente, envolveu uma amostra de cerca de 600 pesquisadores. A rede mais utilizada pelos respondentes foi o Twitter (93%), seguido pelo Facebook (88%).

Os usuários do Twitter disseram usá-lo principalmente para se comunicar com os pares e compartilhar literatura científica. Dos usuários do Facebook, 75% disseram seguir páginas relacionadas à ciência e 33% eram administradores de páginas. A íntegra do estudo pode ser acessada em http://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0162680

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"Fosfo da USP" volta a dar chabu em testes oficiais

A maldição de Noé, a África e os negros

Primeiros testes: "fosfo da USP" não funciona e não é "fosfo"