Bendito quem semeia livros, livros à mancheia...


A postagem abaixo é uma reprodução de uma crônica autobiográfica (e automarketeira) que produzi para o blog da Draco, a casa editorial preferencial de minhas obras de ficção. Como suspeito que o público deste blog não seja exatamente o mesmo de lá, resolvi trazer o texto para cá pra fechar a semana.

Abaixo, a postagem original para a Draco, com apenas um ou dois retoques:


Os leitores da Draco correm o risco de enjoar da minha cara (ou, bem, do meu texto) neste ano: estou confirmado (até agora) nas antologias Space Opera 2,Erótica FantásticaBrinquedos Mortais e  Fantasias Urbanas; além disso, tenho três títulos-solo alinhavados: a novela de fantasia As Dez Torres de Sangue, a coletânea de contos de ficção científica Campo Total e uma segunda edição de Tempos de Fúria – que estou chamando, cá comigo, de Tempos de Fúria Redux (quero ver o Erick, meu editor, enfiar isso numa capa e fazer ficar bom...). Ah, tem também o meu romance Guerra Justa em e-book disponível na Amazon, Saraiva, Gato Sabido e muitas outras livrarias virtuais. O preço é bem justo, também, R$ 9,90 nas nacionais e US$ 4,99 na Amazon.

Dos três títulos-solo, Tempos de Fúria Redux  é talvez o que mais me surpreendeu em ter a oportunidade de publicar. O Tempos de Fúria original foi (mais uma) prova de minha absoluta falta de tino comercial: publicado numa espécie de “contrato de risco”, dependia do esgotamento da primeira edição para que eu começasse a receber direitos autorais.

Mesmo tendo sido adotado como leitura obrigatória numa escola de ensino médio, ele nunca chegou perto de esgotar, e a alegria dos frequentadores de sebos tornou-se um travo amargo em meu bolso (e é por isso que ele não aparece na lista de "livros que escrevi" da coluna da direita aqui do blog).

Quando a Draco me ofereceu a chance de relançá-lo num esquema profissional digno, fiquei tão feliz que até assumi a tarefa de revisar os textos, um a um (detesto reler coisas minhas!) e de acrescentar dois contos que, se não exatamente inéditos, são certamente difíceis de achar. Um deles é uma homenagem (não muito) velada à Intempol de Octavio Aragão e o outro, uma aventura de viagem interdimensional.

O livro marcou uma mudança importante em minha forma de encarar a escrita e o relacionamento com editores em geral: nele me conscientizei de que o autor, afinal, já paga para escrever – paga em tempo, pesquisa, concentração, bibliografia, qualidade de vida – e que não faz sentido, portanto, pagar também para publicar; a menos que se tenha uma vocação empresarial apurada, o que, definitivamente, nunca foi o meu caso.

Daí, Campo Total. É uma coletânea que reúne contos posteriores aos deTempos de Fúria e, se me permitem dizer, também melhores. Tempos de Fúria foi pensada como uma coletânea mais “mercadológica”, com histórias de apelo mais facilmente reconhecível.

Campo Total é mais solta. A maioria dos textos reunidos ali viu a luz pela primeira vez no velho fanzine/semiprozine Scarium, outros pipocaram aqui e ali na internet. São, no geral, histórias que cabem claramente dentro do gênero da ficção científica, mesmo quando têm uma roupagem que lembra a fantasia, como no caso de Visitante, vista anteriormente numa antologia do Museu Imperial de Petrópolis.


As Dez Torres de Sangue, por sua vez, é fantasia desbragada. Em mais uma prova de meu descompasso com o mundo best-seller, hoje convulsionado pela chamada high-fantasy e pelos derivativos de RPG,  meu coração sempre bateu mais forte pela sword&sorcery, com seus anti-herois solitários, mundos brutais, enredos sórdidos e só uma raça na jogada, a humana (que já dá problema bastante).

Essa novela saiu pela primeira vez em 1999 (ou teria sido 2000?), numa edição de bolso superbembolada pelo César Silva, e que hoje talvez seja uma raridade. Algumas pessoas que geralmente não curtem muito o que escrevo já me disseram ter gostado dela, o que indica que deve ser bem melhor  que minha produção média (ou bem pior, supondo que essas “algumas pessoas” tenham muito mau gosto, mas não acredito nisso).

É curioso que as Dez Torres estejam saindo de novo agora, porque venho sentindo uma coceira para voltar a escrever fantasia. Em parte por conta de meu mergulho nas mitologias judaica, cristã e helênica (necessário para a composição do Livro dos Milagres, minha recente obra de não-ficção), acabei ficando com algumas ideias para um mundo mágico, sórdido e brutal inspirado na situação do Mediterrâneo por volta do ano 1. Vai sair alguma coisa? Só o tempo dirá.

Confesso que escrever ficção, para mim, meio que chegou ao famoso ponto dos retornos decrescentes (cada vez mais esforço para cada vez menos satisfação), mas esse é o tipo de coisa que pode mudar de uma hora para a outra.

O que espero é que a avalanche de obras deste seu criado que se aproxima não jogue você, leitor, nessa mesma situação de retornos decrescentes, mas o contrário: que se leia cada vez mais, com cada vez mais gosto. Se isso acontecer, este meu estágio de 20 anos como escritor da literatura fantástica/especulativa – iniciado em 1992, nas páginas da Isaac Asimov Magazine – não terá sido de todo em vão.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"Fosfo da USP" volta a dar chabu em testes oficiais

Baleia ou barriga?

O financiamento público da pseudociência