The Dragon has landed!



Bom, não exatamente "landed", mas a cápsula Dragon, criada pela companhia SpaceX, acaba de se ligar à Estação Espacial Internacional (ISS). Trata-se da primeira atracagem de um veículo privado à Estação, e de uma grande vitória para o plano do presidente Obama de liberar a Nasa da tarefa de abastecer a órbita terrestre, permitindo, assim, que a agência de concentre em objetivos mais ambiciosos.

A Dragon que fez o aporte histórico desta sexta-feira transporta apenas carga, mas a cápsula pode, em tese, ser reconfigurada para levar astronautas. "Pegamos um dragão pelo rabo", disse um dos astronautas, quando a manobra de captura da cápsula pelo braço robótico da ISS foi completada.

Escrevi mais longamente sobre o contexto histórico e tecnológico da missão aqui, mas só para constar: este é o "momento Sputnik" da iniciativa privada. Cabe, agora, aguardar o "momento Gagárin".

Comentários

  1. Não consigo considerar histórico a iniciativa privada fazer algo que é feito há mais de 40 anos. Enfim, rabugice minha.

    []s,

    Roberto Takata

    ResponderExcluir
  2. Carlos, acabei de ler O Imperador do Olfato do Jornalista Candler Burr, que conta a história do biólogo Luca Turin e sua luta pra divulgar uma teoria do olfato. A teoria afirma que o olfato é determinado pela vibração das moléculas e não pela sua forma. O autor ataca violentamente os cientistas da área por atacarem a teoria do biólogo sem mesmo terem lido seu trabalho. A Nature é acusada de se recusar a publicar o trabalho dele sem justificativas bem fundamentadas. Chandler chega a escrever que a trajetória de Turin encarna o fracasso do processo científico. Você sabe alguma coisa a respeito? Procurei informações na web para me informar sobre o outro lado da questão, mas não achei nada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Evandro! Não, essa eu não conhecia. Mas, pela sua descrição, parece mais um caso de um cientista com uma hipótese maluca e sem fundamento que consegue convencer os leigos mas não os colegas (Velikovsky é o caso clássico). A Naure, em particular, tem uma história de abertura a hipóteses heterodoxas -- ela publicou o artigo da "memória da água", por exemplo, e o de uns parapsicólogos que cahavam quebo Uri Geller era sério-- então, para ter rjeietiado esse artigo, os motivos devem ter sido bem substanciais.

      Mas, claro, não sou químico e nem biólogo, e não tenho como avaliar a tese em seus méritos... Vou dar uma olhada e ver se acho algo.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"Fosfo da USP" volta a dar chabu em testes oficiais

Baleia ou barriga?

O financiamento público da pseudociência