Ciência, religião, cura gay

A Sociedade Brasileira de Genética (SBG) emitiu nota condenando o crescimento do ensino do criacionismo -- a ideia de que os seres vivos foram criados por Deus em sua forma atual -- em detrimento da teoria da evolução, originada por Charles Darwin e Alfred Russell Wallace no século19, e de lá para cá reforçada e reformulada à luz das descobertas de áreas tão díspares quanto geologia e genética.

A nota é muito importante, na medida em que marca posição num tema que deve se tornar cada vez mais candente com o crescimento do protestantismo evangélico no Brasil. Filosoficamente, ela adota uma postura que já foi majoritária nos países onde essa batalha é travada há mais tempo, com os EUA, mas que vem sendo cada vez mais criticada como, dependendo de quem se consulta, covarde, míope ou intelectualmente desonesta: trata-se da postura acomodacionista, segundo a qual não há nenhum conflito de fundo entre ciência e religião, porque, no fim, a ciência não tem nada a dizer sobre as "verdades" religiosas, e vice-versa.

No mesmo momento em que a nota acomodacionista surge, curiosamente, o Brasil debate sobre se psicólogos cristãos devem ter a liberdade de propalar a capacidade de "curar" o homossexualismo. Não deixa de ser interessante notar que esse debate ocorre no centenário de Alan Turing, possivelmente o maior gênio científico do século 20 (ao lado de Alberte Einstein) e que cometeu suicídio exatamente para escapar da crueldade da "cura" proposta para sua condição de homem gay.

Mas, voltando ao acomodacionismo: a nota da SBG afirma que "as perguntas e as causas sobrenaturais não fazem parte do questionamento hipotético e nem das explicações em todas as Ciências experimentais modernas. Por exemplo, a pergunta “Deus existe?” pode ser discutida por filósofos e cientistas (como pessoas com diferentes crenças, opiniões e ideologias), mas não pode ser abordada e respondida pela Ciência." E, mais adiante: "embora o criacionismo possa ser abordado como explicações não científicas em disciplinas de religião e de teologia".

Essa peça de retórica acomodacionista remete a um princípio conhecido como naturalismo metodológico, segundo o qual a missão da ciência é buscar causas naturais para fenômenos naturais.


Assim, por exemplo, a questão de se a Aids é uma praga enviada por Deus para castigar a promiscuidade sexual não cabe no escopo da ciência. Se Deus realmente criou a Aids, Ele o fez por meio de um agente presente na natureza, o vírus HIV, e é aí, no agente natural, que o questionamento científico deve parar. Qualquer coisa além é a província dos teólogos.


O acomodacionismo calcado na metodologia naturalista é, antes de mais nada, um movimento diplomático: desde o julgamento de Galileu que a maioria dos cientistas parece convencida de que, forçadas a optar entre ciência ou religião, as pessoas sacrificarão a primeira em nome da segunda, e o melhor, portanto, é manter o tigre obscurantista devidamente sedado.

Que o tigre provavelmente é de papel -- como mostram, por exemplo, a capitulação final do catolicismo ao sistema heliocêntrico, no século 19, e o avanço da cultura secular nos cantos mais civilizados do mundo -- é um dado que o trauma histórico parece obscurecer. Mas, além de ser diplomaticamente útil, seria o naturalismo metodológico filosoficamente respeitável? Existem, de fato, sérias dúvidas a respeito, como mostra um recente artigo publicado no periódico Science and Education Online.

Nele, os autores argumentam que o naturalismo não é um dado metodológico a priori do método científico, mas o oposto disso: uma conclusão a posteriori da prática científica. Em outras palavras, não é que a ciência abre mão de buscar o sobrenatural: é que, depois de séculos de investigação científica, o sobrenatural nunca deu as caras e, portanto, os cientistas simplesmente concluíram que não vale a pena perder tempo com ele.


Historicamente, a visão do naturalismo como uma conclusão, e não um pressuposto, da ciência parece bem sólida: a evolução de práticas estéreis, como alquimia e astrologia, para ciências frutíferas, como química e astronomia, envolveu o descarte dos elementos sobrenaturais. Não é preciso muita imaginação para ver que esse não é um resultado necessário do processo: se horóscopos, orações e transmutações alquímicas funcionassem, não haveria motivo para descartá-los do processo científico. Se foram descartados, foi por um motivo prático, não por uma picuinha metodológica.

Nessa visão, que se opõe ao acomodacionismo, a ciência põe o sobrenatural de lado não por uma questão de delimitação filosófica, mas porque ele é irrelevante. O salto do irrelevante para o inexistente é filosoficamente questionável, mas pragmaticamente sólido. Então, neste ponto de vista, a ciência mostra que, para todos os fins práticos, o sobrenatural -- inclusive Deus -- não existe.

O que nos traz de volta ao debate sobre a "cura" do homossexualismo. Os críticos do "pacto acomodacionista" sempre se queixaram de que os religiosos nunca tiveram pruridos em violá-lo, e este é mais um caso em tela.

 O conceito de doença mental é bastante suscetível às condições sociais: os esquizofrênicos de hoje são os profetas e messias de ontem, e nossa sociedade atual premia regiamente diversos comportamentos psicopatas e sociopatas. A única medida razoável de se um determinado estado-de-ser representa ou não doença mental é o sofrimento e o perigo que traz a quem se encontra nele, e às pessoas ao redor.

No consenso da comunidade internacional de saúde mental, o homossexualismo não é uma doença. Some-se a isso o fato, também largamente atestado, de que tentativas de "curá-lo" levam a resultados inócuos ou (como no caso de Turing) trágicos. Então, por que o debate?

Alguém poderia sugerir que, por conta de certos tipos de crença religiosa e condicionamento social, o homossexualismo representa uma fonte de sofrimento para algumas pessoas e, portanto, se encaixa numa das condições definidoras de doença mental. É possível, porém, afirmar que a patologia encontra-se, de fato, nas crenças e condicionamentos, não no homossexual: são a religião e a sociedade que precisam de tratamento, não o indivíduo. Por exemplo, um estudo publicado em 2003 aponta que "o desenvolvimento de uma identidade homossexual é um processo conectado a graves perigos (...) muitos adolescentes não recebem o apoio necessário porque a heterossexualidade é considerada a norma na maioria das culturas." O perigo, portanto, não é intrínseco: nasce na norma cultural arbitrária.


Um paralelo com o canhotismo -- o uso preferencial da mão esquerda -- não é difícil de traçar. Assim como ser gay, ser canhoto parece derivar de uma combinação mais ou menos complexa de predisposição genética e influência ambiental. Assim como ser gay, ser canhoto já foi visto como socialmente inaceitável. E, no entanto, hoje preferir usar a mão esquerda é, no máximo, uma fonte inócua de curiosidade.

A falsa polêmica mostra os limites da tese acomodacionista. No paraíso do acomodacionismo, a ciência trata das questões de fato e a religião, das de moral. Mas, e quando chega a hora de ceder uma "questão moral" para a lista das questões de fato, o que acontece? Uma tentativa, não raro violenta, de reapropriação, que deixa vidas destruídas pelo caminho. Foi o que vimos no caso do heliocentrismo, da evolução, do status do embrião humano e, agora, da "cura gay".

Acredito que esses dolorosos cabos-de-guerra continuarão a existir enquanto a comunidade científica insistir na versão, apenas aparentemente conveniente, do naturalismo como condição metodológica, de certa forma equivalente, no debate público, a preferências outras -- por exemplo, a da revelação divina ou da exegese da Escritura.

Da mesma forma que o criacionismo, nessa visão, pode ser abordado como "explicação alternativa" à evolução em aulas de teologia e religião, nada impede que o homossexualismo, eventualmente tratado de modo sóbrio e natural nas aulas de biologia ou de educação sexual, seja abordado como pecado vergonhoso nas de religião, reforçando, assim, a patologia social.

O que precisamos, mesmo, é de mais gente disposta a proclamar, no debate público, o naturalismo como conclusão lógica da ciência: reafirmando, sempre que necessário, que o sobrenatural não pode ser fonte de autoridade a respeito de nenhuma questão, moral ou de qualquer outro tipo, porque, pura e simplesmente, ou não existe, ou existe, mas é irrelevante. Por conseguinte, seus arautos, usem eles ternos ou batinas, não sabem do que estão falando -- e não deveriam ser levados a sério.

Comentários

  1. Belo texto, mas o sufixo "ismo" de "homossexualismo" poderia ser suprimido - rima com "exorcismo".

    ResponderExcluir
  2. Talvez no campo da ciência você tenha razão, o sobrenatural não deveria ter autoridade, pois é parte, digamos, da natureza da ciência basear suas afirmações em dados concretos, mas daí a dizer que não teria autoridade em nenhuma questão é um passo bem longo.

    O que você entende por autoridade? Por exemplo, um artista que molda parte de seu projeto estético na idéia de epifania não poderia ser levado a sério? E se esse artista transformar a literatura usando parte deste conceito juntamente com outros, como fluxo de consciência ou tempo psicológico? Ele não é uma "autoridade" no assunto?

    Afinal, a consciência ou busca ou luta espiritual também não é parte da cultura ocidental? Devemos, então, esquecer uma enorme parte do que essa cultura criou, seja no campo das artes, seja no campo da filosofia?

    Além disso, a moral diz respeito, entre outras coisas, ao relacionamento do indivíduo com o mundo, e, portanto, também leva em consideração a complexa rede de suas experiências pessoais, suas expectativas, frustações, amor, morte e, porque não dizer, Deus. A meu ver isso não se limita a uma abordagem naturalista, mas também abre espaço a experiências estéticas, religiosas, sensoriais, ao sentimento de perplexidade, espanto, angústia etc que, aliás, são a mola propulsora da filosofia, da teologia, das artes, da busca pela verdade e pelo conhecimento, enfim.

    Você acha que conhecer é simplesmente conhecer as leis da natureza? A angústia da condição humana deve deixar de ser assunto da filofia ou da religião ou da teologia ou das artes e deveria passar a ser estudada apenas em livros de biologia?

    É possível que eu tenha entendido errado o que você disse, mas escrevi essa mensagem exatamente buscando entender sua opinião, não me veja como um provocador ou algo do tipo.

    Abraços,
    Sérgio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sérgio.

      Minha resposta é a de que é preciso traçar uma linha clara separando fato de ficção. É perfeitamente possível admirar uma pintura de Picasso e, ao mesmo tempo, considerar que um cirurgião plástico que utilize um quadro cubista como guia para reconstituir o rosto de um paciente estará cometendo um crime.

      Do mesmo modo, deveria ser possível reconhecer que um mito pode ser útil para ajudar a fazer sentido de certos tipos de experiência humana, mas que usá-lo para organizar a sociedade ou decidir o que é permitido ou proibido é um ato autoritário injustificável.

      Quanto à angústia da condição humana, ela me parece uma questão fundamentalmente individual -- algumas pessoas angustiam-se mais que outras -- e que, não raro, é exagerada pelos que pretendem vender pseudo-soluções.

      Eu diria que, sim, "conhecimento", propriamente definido -- crença verdadeira e justificada, na versão platônica -- é a província da ciência. Já "significado" pode, de fato, ser a província do mito e da arte. Mas a busca por significado é individual, e o sentido que uma pessoa vê para sua vida não tem, ou não devera ter, peso normativo sobre o significado que os demais veem em suas vidas.

      Excluir
    2. Olá Carlos e Sergio, é difícil não concordar com os dois. Eu acredito que o estado, em todas os seus segmentos deve ser laico. Desde escolas até hospitais, segurança pública e legislativo. Pois o Estado deve garantir direitos e deveres iguais a todos os seus cidadãos independente da escolha religiosa. O estudo religioso e o exercício (livre) da religião devem ser levados na esfera familiar ou de grupos de iguais, o que me leva a concordar com o Sergio.
      A minha escolha religiosa, ou preferência sexual não são assuntos públicos. Quem disse que minhas escolhas são as corretas, minha religião é a melhor? Eu simplesmente não tenho o direito de doutrinar religiosamente o filho de outra pessoa sem seu consentimento prévio.

      Por outro lado o conhecimento, pelo menos o nível de conhecimento atingido hoje, não explica tudo. A Ciência cega é cínica, enquanto a religião extremada é sectária.

      Mas, o Estado, em todos os seus segmentos, deve ser laico.

      Excluir
  3. Olha vi seu comebtario sobre testemunha de jeova e sangue no twiter e eo seguinte a pessoa se mata e uma coisa gora salvar vida e otras cosas vc q estuda deveria procurae se informa maiz sobre o assunto antes de lancar um debate estuda mais testemunhade jeova fas trasfuzao de sangue porq e biblico e e mais seguro afinal qtos drogado e fumantes ....turbeculosos etc existe tranzfuzao d sangue vc corre mais risco de morre do q oque ta suicidado ate os medicos mas conceituados estao vendo issso entap mude e estude mais esse conceito seu

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"Fosfo da USP" volta a dar chabu em testes oficiais

Baleia ou barriga?

O financiamento público da pseudociência