Ladies and Gentlemen: o provável bóson de Higgs

Numa nota à imprensa divulgada nesta madrugada, o Centro Europeu de Pesquisa Nuclear (CERN) anunciou que dois experimentos do Grande Colisor de Hádrons (LHC) encontraram "uma nova partícula com massa entre 125 e 126 GeV". Essa "nova partícula" é provavelmente a peça que faltava para completar o Modelo Padrão das partículas elementares, o bóson de Higgs.

(A unidade usada, giga-elétron-volt, é na verdade uma medida de energia, mas massa e energia podem ser convertidas uma na outra via E=mc2. Os 126 GeV correspondem, se não errei na contagem dos zeros, a 0,0000000000000000000002 gramas.)

Sei que para a maioria das pessoas o grande evento histórico desta quarta-feira é o jogo do Curíntia, mas tentemos pôr a questão do bóson de Higgs em perspectiva, pois não? vamos lá: o Modelo Padrão é uma grande teoria, elaborada ao longo do século passado, que explica as relações entre luz, eletricidade e as forças que atuam no núcleo do átomo. O Modelo Padrão é, ao fim e ao cabo, o arcabouço sobre o qual se sustentam a química, a biologia, a eletrônica e tudo o que sabemos sobre radiação e a respeito da estrutura fundamental da matéria.

Sendo uma teoria científica, o Modelo Padrão busca ser consistente e fazer previsões. "Consistente" quer dizer que ele não admite contradições: se uma parte do modelo diz, digamos, que todas as bananas maduras são amarelas, não pode haver outra parte dizendo que algumas bananas maduras são azuis. Quanto a fazer previsões, isso significa que o modelo afirma que certas coisas devem produzir certas consequências.

Isso não só é a base de muita tecnologia -- já que máquinas são criadas com base em previsões teóricas -- como também significa que o modelo é testável: se ele prevê uma determinada consequência e ela não ocorre, isso significa que há algo errado com ele (porque, afinal, o modelo deve ser consistente, e portanto não pode cair em contradição). A existência do bóson de Higgs é uma previsão deduzida do Modelo Padrão há 50 anos.

Cinco décadas. Difícil descrever a dimensão do triunfo: que mentes humanas tenham deduzido a existência de um componente fundamental do cosmo meio século antes de existir a tecnologia necessária para observá-lo.

Um triunfo, sem dúvida. No entanto, a nota do CERN diz que mais estudos ainda serão necessários para determinar se a nova partícula é mesmo o bóson previsto por Peter Higgs e colegas há 50 anos, já que suas propriedades ainda precisam ser melhor estudadas. A nota afirma que o sinal encontrado é "dramático", e que a presença da nova partícula é certa. Mas, será ela o bóson previsto?

Para além da questão da cautela protocolar, há outra razão para o suspense: o fato de que o Modelo Padrão, a despeito de todos os seus sucessos, é incompleto. Ele não dá conta da matéria escura que envolve as galáxias; não explica e energia escura que acelera a expansão do Universo; não integra a descrição da gravidade dada pela Teoria da Relatividade Geral. Seja ou não o Higgs, a nova partícula do CERN deverá representar uma ponte entre o Modelo Padrão limitado que temos hoje e alguma outra teoria, a fantástica física do amanhã.

Cada mistério resolvido, afinal, abre a porta para novas questões: todo novo conhecimento traz, consigo, a consciência de dimensões de ignorância que não havíamos notado até então. Mal comparando, é preciso primeiro saber que a China existe para, então, perceber que não se sabe falar chinês.

Seja ou não o Higgs previsto na teoria, a nova partícula de 125 GeV é um pedaço do Universo que ignorávamos até agora, um ingrediente da realidade que vivia escondido de nossos olhos. Assim como a Ilha de Hispaniola prefigurou o continente americano para Colombo, a partícula do CERN, seja ela o Higgs ou alguma coisa ainda mais exótica, aponta o caminho para territórios ainda inexplorados pela ciência: é o buraco da fechadura na porta que separa o que sabemos hoje daquilo que saberemos amanhã.

Comentários

  1. Parabéns ao CERN e ao escritor ae!!
    Belo texto hein chapa!!! hehehe

    ResponderExcluir
  2. Melhor texto sobre o assunto. Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Melhor texto sobre o assunto, de fato!

    ResponderExcluir
  4. Orsi, texto excelente, parabéns!

    Em compensação, pobres dos leitores de outros meios, olha só a pérola que eu encontrei no Estadão: "... trata-se da última fronteira não resolvida pela física." Ou seja, poderemos fechar as universidades, não acha?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem falar na insistência do jornal em usar aquele apelido infame. Deve ser inveja da Veja!

      Excluir
  5. Belíssimo texto, Orsi, já devidamente compartilhado!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"Fosfo da USP" volta a dar chabu em testes oficiais

A maldição de Noé, a África e os negros

Primeiros testes: "fosfo da USP" não funciona e não é "fosfo"