Trânsito mata mais que a guerra do Iraque... e daí?


Mortes no trânsito per capita, via Wikipedia. Escala vai de 'menos de 5' a 'mais de 40'
Comparar a estatística de mortes causadas por acidentes de trânsito com o número de vidas perdidas em desastres de magnitudes várias já virou uma espécie de clichê: em Goldfinger, quando James Bond confronta o vilão com a monstruosidade que seria matar toda a população de uma pequena cidade apenas para abrir caminho para o saque de Fort Knox, o gênio do mal dá de ombros e diz que os motoristas americanos matam mais gente do que isso em um ano.

Ao contrário do insensível Auric Goldfinger, no entanto, a maioria das pessoas que buscam traçar paralelos entre a quantidade de vidas perdidas no trânsito e, por exemplo, em guerras, não pretende apresentar seus dados como uma forma de minimizar a tragédia, mas bem o oposto: mostrar como a imprudência ao volante pode provocar, num país em estado de paz, uma catástrofe comparável à  que atinge uma nação conflagrada. Nos últimos anos, dizer que "o trânsito no Brasil mata mais que a guerra do Iraque" virou quase um mantra. Mas o que isso significa, exatamente?

Em números absolutos, trata-se de uma verdade incontestável: de acordo com o Iraq Body Count, no ano mais sangrento da guerra, 2006, perderam a vida 29.026 pessoas no Iraque. No mesmo ano, o total de mortes no trânsito brasileiro foi de  36.367, informa o Mapa da Violência.

Agora, de novo: o que isso significa? A imagem mental evocada é, certamente, hedionda -- carros e motocicletas brasileiros deixando um rastro de corpos maior que o de carros-bomba e lançadores de granadas. Motoristas matando mais que soldados, guerrilheiros e terroristas. A sensação de que deve ser mais seguro ir ao mercado em Fallujah do que descer para a praia de Santos no feriado... Epa, peraí. Há algo estranho nisso. Ou não? Alguém realmente acha que a Serra do Mar é mais perigosa, mesmo no sábado de carnaval, do que o Triângulo Sunita era em, digamos, 2004?

O que está faltando nesse quadro é contexto, algum dado que permita ancorar os números absolutos numa compreensão mais completa da realidade. Por exemplo: as populações envolvidas. Em 2006, para voltar ao ano mais sangrento da guerra, o Iraque tinha cerca de 30 milhões de habitantes; o Brasil, 190 milhões. Fazendo as contas, naquele ano, o risco de um iraquiano morrer na guerra era cinco vezes maior que o de um brasileiro morrer no trânsito. De fato, no acumulado de 2003 a 2009, o risco de um cidadão iraquiano  morrer vítima de violência na guerra foi quatro vezes maior que o de um brasileiro se esborrachar numa rua ou estrada.

É bom notar que, mesmo postos em contexto, os números do Brasil não são nada animadores: se eu saio do meu país pacífico e vou para uma zona de guerra, minha expectativa seria de ver o risco de vida aumentar em dez ou doze vezes. Um aumento de apenas quatro ou cinco sugere que o lugar de onde saí não era tão pacífico assim, afinal.

Números absolutos têm valor de choque, mas o problema é que seu uso descontextualizado pode induzir ao erro e, no limite, é pura e simplesmente desonesto: por exemplo, deve ser verdade que mais mulheres são estupradas hoje em dia, no mundo, do que eram na Idade Média -- mas, antes de concluir que os direitos das mulheres sofreram uma aguda degradação no último meio milênio, lembre-se de que a população feminina do século XIII possivelmente equivalia a cerca de 6% da do mundo atual.

Esse tipo de manobra, a comparação de números absolutos vindos de contextos diversos, é algo em que jornalistas, principalmente, deveriam prestar mais atenção. E não embarcar em furadas apenas porque o número soa bem na manchete. Nem mesmo se a causa for boa e, por isso, a tentação, grande.

Comentários

  1. Olá Carlos, parabéns pelo texto. Simples e direto ao ponto.

    Obviamente, seguindo a ideia do texto, os números se tornariam mais díspares se levarmos em consideração a quantidade de soldados e 'rebeldes' no Iraque e a quantidade de pessoas habilitadas no Brasil, não é mesmo?

    Grande abraço...

    ResponderExcluir
  2. Talvez, mas é preciso levar em conta que tanto o número de civis iraquianos quanto o de pedestres brasileiros tem alguma influência no resultado, já que entra no "pool" de vítimas em potencial...

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito da "ótica" trabalhada na abordagem do tema. Posso trabalhar o texto numa aula de redação?
    Prof. Nonato (Caxias-MA)

    ResponderExcluir
  4. Alguns alegam que precisamos de educação no trânsito, mas esquecem da educação de base e, não estou falando de cultura, mas daquilo que deve se desenvolver no âmbito familiar desde a primeira infância.

    Obrigado pelas informações.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Baleia ou barriga?

O financiamento público da pseudociência

Design Inteligente é propaganda, não ciência