Picareta lançada!


Acabo de voltar do Rio de Janeiro (a foto acima foi tirada da janela do quarto do hotel), onde participei do evento de lançamento do livro Pura Picaretagem, escrito em parceria com o físico Daniel Bezerra. Visitar o Rio é sempre um prazer, ainda mais podendo contar com a hospitalidade do amigo e colega escritor de ficção-científica Gerson Lodi-Ribeiro e sua mulher, Cláudia; e da conversa sempre estimulante de Octavio Aragão, a cabeça por trás de alguns dos projetos mais instigantes do quadrinho nacional. Além da companhia e da boa conversa de vários amigos com quem praticamente só tenho contato via internet.

Como eu e minha mulher, Renata , ficamos hospedados no Leblon, as manifestações que sacudiram a cidade não nos afetaram muito -- mas o suficiente, por exemplo, para que um taxista se recusasse a levar a Renata até o hotel, no início da noite de sábado, deixando-a meio perdida em meio aos manifestantes que cercavam a morada do governador Sérgio Cabral.

Saber que a manifestação é, em princípio, pacífica não refresca muito a cabeça de quem é de fora da cidade cai de para-quedas no meio dela, mas no fim tudo deu certo, passado o susto. De qualquer modo, deixo meu agradecimento à Rê por ter me acompanhado ao Rio, mesmo sabendo das circunstâncias.

O livro foi lançado na Livraria da Travessa do Shopping Leblon (daí minha escolha de local de hospedagem), e é possível que o público atraído pelo evento tenha sido menor do que o potencial por causa, novamente, das manifestações. Mas, enfim: o evento estava marcado há mais de um mês, e há modos muito piores de se ver atropelado pela marcha da história.

Falando em manifestações e Rio de Janeiro, aliás, o melhor diagnóstico para os eventos recentes que encontrei vem do carioca Nelson Rodrigues: o povo pode não saber por que está batendo, mas o governo sabe por que está apanhando. E falando no livro, neste domingo saiu a primeira apreciação de que tenho notícia,  publicada no Jornal de Jundiaí.



A foto acima mostra eu e o Daniel, durante o lançamento. Alguém achou estranho o fato de o paulista estar de jaqueta jeans e o carioca, de blazer, mas minha explicação é: "Eu estava indo ao Rio de Janeiro, bolas!" (Octavio Aragão também me deu uma bronca sacaneada por eu ter aparecido de bermuda e sandálias para nosso almoço, mas qual a graça de um estereótipo se não se pode vivê-lo de vez em quando?).

Comentários

  1. Foi um prazer recebê-lo mais uma vez, parceiro!

    -Daniel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E foi ótimo revê-lo, a despeito da correria! Um ano desses eu vou ao Rio passar pelo menos uma quinzena -- quem sabe aí consigo ver tudo e conversar direito com todo mundo...

      Excluir
  2. Ei, eu não dei bronca... sacaneei, é diferente. Mas é um belo livro! Parabéns a você e ao Daniel.

    ResponderExcluir
  3. Cleverson Moreira24 de junho de 2013 17:52

    Tentei ir mas fiquei preso no trabalho até muito tarde.
    de qualquer forma vou comprar o livro amanhã, estou muito ansioso para começar a ler.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Baleia ou barriga?

O financiamento público da pseudociência

Design Inteligente é propaganda, não ciência