Um blog de meio milhão

Esta aqui é uma nota rápida, só para registrar o fato de que, em algum momento desta madrugada, o blog atingiu (e superou) a marca de meio milhão de visitas, acumuladas desde... desde quando, mesmo? Janeiro de 2011. Não sei se é uma marca expressiva em termos de blogs em geral -- o fato de eu ainda não ter recebido um único centavo do AdSense (saldo acumulado de US$ 71, 64) me sugere que não. Mas é um número redondo, bonito, estamos no fim do ano, então, bolas, por que não comemorar?

Aqui, algumas estatísticas para quem curte esse tipo de coisa: embora eu busque encarar o blog como uma ferramenta de divulgação científica, as postagens mais lidas são as em que exponho a revista Veja ao ridículo (de fato, 20% de todo o tráfego foi gerado por uma só delas, esta aqui). O que nem é tão complicado de fazer, aliás -- então, fica a dica para quem quiser "bombar" um blog. Não é difícil. O lado ruim é ter de ler a Veja antes de escrever.

Mais números: minhas principais fontes de tráfego, no agregado dos três anos de existência do blog, são, pela ordem, Kibeloco, Facebook e Twitter; e os termos de busca que mais trazem pessoas aqui são, surpreendentemente, o meu próprio nome e variações. Depois vêm "imagens 3d" e "pornografia gay" (sério).

Vocês, meus visitantes, usam mais Chrome e Firefox -- apenas 10% chegam ao blog a bordo do Internet Expolorer, embora 67% usem Windows. Os países que mais originam tráfego são Brasil, Estados Unidos, Reino Unido e Portugal. Depois vêm Alemanha, Rússia, Japão, Suíça, França e República Checa.

O estado semicomatoso do blog, fruto de meus novos compromissos profissionais (por exemplo, como esta coluna para a revista Galileu, ou esta outra para o Jornal da Unicamp)  já está começando a me custar leitores -- em novembro, o número de visitas ao blog caiu abaixo de dez mil pela primeira vez em muito tempo. Mas, enfim, a gente faz o que é necessário para manter um fluxo adequado de carboidratos e proteínas passando pelo tubo digestivo. Aliás, se alguém quiser ajudar nisso, chamo a atenção para o botão de doações no canto superior direito da página (e para a lista de livros de minha autoria, logo abaixo, sobre os quais recebo direitos autorais).

Bem, obrigado pela companhia, pelo meio milhão de olhares -- e pretendo continuar por aqui, ainda que de modo um tanto quanto errático. Até breve!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"Fosfo da USP" volta a dar chabu em testes oficiais

A maldição de Noé, a África e os negros

Primeiros testes: "fosfo da USP" não funciona e não é "fosfo"