"Science": sem investimento público, sem inovação privada



A verba para pesquisa biomédica fornecida pelo governo dos Estados Unidos, por meio de seus Institutos Nacionais de Saúde (NIH), é fundamental para o desenvolvimento do setor privado na área, argumenta estudo publicado na revista Science. De acordo com levantamento que cobre os últimos 27 anos, 10% das dotações (“grants”) dos NIH são responsáveis diretas por novas patentes, e 30% das demais geram artigos que acabam citados em pedidos de patente subsequentes.

“Embora os formuladores de políticas públicas frequentemente ponham foco nas patentes obtidas diretamente por pesquisadores acadêmicos, o grosso do efeito da pesquisa dos NIH sobre patentes parece ser indireto”, escrevem os autores, do MIT, Harvard, Columbia e do Bureau Nacional de Pesquisa Econômica. “Também não encontramos nenhuma relação sistemática entre o foco de uma dotação em pesquisa ‘fundamental’ ou ‘aplicada’ e sua chance de acabar citada numa patente”, destacam.

“Uma interpretação é que esta pesquisa ‘fundamental’ é quase tão produtiva [em termos de patentes] quanto a ‘aplicada’, o que pode surpreender os que questionam seu valor”, diz o artigo. “Por outro lado, encontramos pouca evidência para as alegações de que a pesquisa fundamental teria, substancialmente, mais impacto, pelo menos ao longo do período em estudo. Nossos resultados são consistentes com argumentos de que a distinção fundamental/aplicada pode não ser tão útil para pensar sobre quais tipos de financiamento de pesquisa são mais produtivos”.

O estudo avaliou mais de 365 mil dotações, aplicadas entre 1980 e 2007. Mais de 30 mil deram, diretamente, origem a patentes, sendo 17 mil concedidas a universidades e hospitais. Já mais de 112 mil foram citadas num total de 81,5 mil patentes concedidas ao setor privado.

Citado em nota divulgada pelo MIT, um dos autores do trabalho, Pierre Azoulay, disse que o fluxo de conhecimento entre os projetos financiados pelos NIH e o mercado de produtos comerciais é claro. “Dotações produzem artigos, e artigos são citados em patentes usadas por companhias farmacêuticas”, resume. “É difícil pensar em inovação em biomedicina que não tenha uma patente”.


Em sua proposta de orçamento para o ano fiscal de 2018, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, pede um corte de cerca de 20% na verba destinada aos NIH, sobre a base de 2016. O Escritório de Ciência do Departamento de Energia (DOE), outro órgão federal que investe pesado em pesquisa básica nos Estados Unidos, sofrerá um corte previsto de 17%.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"Fosfo da USP" volta a dar chabu em testes oficiais

O financiamento público da pseudociência

Baleia ou barriga?