Astronomia e os rumos da história

Acho que o truque -- que já virou clichê -- foi usado pela primeira vez, na ficção, por Mark Twain em A Connecticut Yankee in King Arthur's Court: o fim de um eclipse solar é tratado como "prova", diante de um populacho ignorante, dos poderes superiores de alguém. Agora, de acordo com astrônomos da República da Georgia (parte da antiga União Soviética), algo parecido pode ter levado à adoção do cristianismo como religião oficial do país, entre o fim da Antiguidade e o início da Idade Média.

O mito da cristianização da Georgia diz que o Rei Mirian, lá pelo século IV, estava caçando numa floresta quando, de repente, o Sol desapareceu. O monarca então começou a desfiar um catálogo de deuses, pedindo a cada um deles que trouxesse o Sol de volta, mas só foi atendido quando apresentou sua solicitação ao "deus de Nino" (Nino, no caso, era uma missionária cristã, depois canonizada; veja ícone ao lado).

De acordo com o "paper" disponibilizado no Arxiv, até o século passado não havia registro de um eclipse total do Sol na Georgia durante o século IV, mas novas tabelas, criadas pela Nasa, mostram que de fato houve um eclipse total visível no país em 6 de maio do ano 319. No ano 320, cruzes foram erguidas pelo país e o cristianismo, oficializado.

Este não foi, é claro, o primeiro eclipse a alterar o curso da história. Em 28 de maio de 585 AEC, uma batalha entre medos e lídios, onde hoje é a Turquia, foi interrompida por um eclipse do Sol — interpretado, por ambos os lados da refrega, como um sinal de desaprovação, pelos deuses, da carnificina.

Mas o eclipse da Georgia levanta algumas questões curiosas sobre o papel do acaso na história. Vamos supor que a sombra da Lua tivesse libertado o Sol em algum outro ponto da oração do rei (não é difícil imaginá-lo de cabeça baixa e murmurando: "Por favor, Ísis, por favor, Ares, por favor, Júpiter, por favor, Mitra, por favor, Dionísio, por favor..."). Que rumo a Europa Oriental teria tomado?

Comentários

  1. Uma teoria alternativa: E se o Rei, ou Nino, ou os dois, sabiam de antemão quanto tempo dura um eclipse ?

    Aí seria fácil coincidir o pedido com o milagre...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"Fosfo da USP" volta a dar chabu em testes oficiais

Baleia ou barriga?

O financiamento público da pseudociência