Pois é, então redescobriram o vídeo do óvni em Jerusalém...

Há alguns dias (vários dias, na verdade), eu soltei um link no Twitter sobre o desmascaramento de um vídeo forjado que supostamente mostrava um objeto voador não-identificado flutuando sobre a Esplanada das Mesquitas em Jerusalém.

Mas, como na internet os boatos nunca morrem (pelas minhas contas, ao longo de dez anos escrevi sete matérias desmentido a história do "livro didático americano que diz que a Amazônia pertence à ONU"), eis que o vídeo não só volta a dar o ar de sua graça como chega ao "mainstream" da mídia brasileira, graças aos inestimáveis préstimos da agência EFE -- como se pode conferir aqui e aqui.

(Se um dia nos encontrarmos numa mesa de chope, lembre-se de me embebedar e depois pergunte-me sobre a experiência de tentar manter um canal online sério de ciência tendo por base o material da EFE e da BBC.)

Mas, enfim: Phil Plait, o BadAstronomer, tem uma postagem de 9 de fevereiro em seu blog explicando como o primeiro vídeo foi falsificado. Um tutorial, com o passo-a-passo de como as imagens foram processadas em computador, já está há tempos no YouTube. Compare as duas versões (o vídeo original e o tutorial) abaixo:






Ah, sim, mas há um segundo vídeo. Desculpem, meninos e meninas, mas ele também já foi desmascarado. Veja o original abaixo -- se você olhar com atenção, vai notar que a câmera está gravando uma imagem estática bidimensional, e não uma cena com profundidade e movimento -- e o tutorial em seguida:





Comentários

  1. Putz, Orsi, quando trabalhei na Folha da Tarde (o que já denuncia minha idade) o jornal tentava ser um meio de caminho entre o Notícias Populares e a Folha de S.Paulo. Na editoria de Exterior nossa principal fonte de notícias era a EFE, o que já diz muito sobre qual lado ganhava na luta editorial rsrsrs

    ResponderExcluir
  2. Pois é,
    Arrogância + Ignorância dos editores = Bobagens na mídia.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"Fosfo da USP" volta a dar chabu em testes oficiais

Baleia ou barriga?

O financiamento público da pseudociência