Dois corações batendo como se fossem um...

Quer que o coração do seu amor bata em sincronia com o seu? Comece a caminhar sobre brasas ardentes na frente dele (ou dela).

Resultado de um estudo realizado na Espanha e publicado, nesta semana, pela revista Proceedings of the National Academy of Sciences (a popular PNAS) mostra que o ritmo cardíaco de parentes e "amigos íntimos" (categoria que, suponho, deve incluir namorados), presentes à plateia, de pessoas que participaram de um ritual de caminhada sobre brasas ardentes -- mais especificamente, que passearam descalças sobre uma pista de 7 metros de brasas a 677° C -- entrou em sincronia com o dos voluntários que encaravam as chamas.

Caminhar sobre brasas é, claro, um truque antigo e sobejamente explicado pela ciência. O que torna possível caminhar sobre brasas a 677° C são exatamente os mesmos princípios que tornam impossível caminhar sobre uma chapa de aço aquecida à mesma temperatura: capacidade e condutividade térmica.

Capacidade térmica é o quanto de calor que um corpo precisa receber antes que sua temperatura aumente. O corpo humano (incluindo a sola dos pés) tem uma alta capacidade térmica, o que significa que para esquentar a pele é preciso um bocado de calor. Já as brasas têm baixa capacidade térmica -- isto é, embora tenham uma temperatura alta, o calor que efetivamente contêm é relativamente baixo.

Condutividade térmica é a capacidade de transmitir calor. Metais em geral têm alta condutividade: se você segurar uma ponta de um alfinete e encostar a outra numa chama, não vai demorar muito antes que seus dedos ardam. Já madeira tem baixa condutividade: é por isso que dá para segurar um palito de fósforo aceso.

O carvão é útil para assar comida exatamente por causa da baixa condutividade: é o que faz com que ele libere o calor devagar, no ritmo adequado para o churrasco da família.

Então, resumindo: ao caminhar sobre brasas, os pés, que têm alta capacidade térmica -- isto é, precisam receber grandes quantidades de calor para realmente esquentar -- estão passando sobre um material que, além de conter pouco calor, ainda por cima o transmite bem devagar.

(Um exemplo comum da diferença que a condutividade térmica faz é a de um forno onde um bolo acaba de ser assado. Tudo que existe no interior do forno -- as paredes de metal, o bolo, a assadeira, o ar -- estão exatamente na mesma temperatura. No entanto, ninguém hesita em esticar o braço através do ar quente, embora poucas pessoas em seu juízo perfeito aceitem tocar na assadeira sem luvas.)

O segredo da caminhada bem-sucedida é preparar bem a pista de brasas, garantir que não haja bons condutores de calor misturados ali (uma tampinha de garrafa na mesma temperatura da brasa circundante pode causar ferimentos graves) e caminhar num passo rápido. Claro, umedecer os pés antes do início da atividade, ou passar algumas horas todo dia, nos dias anteriores ao exercício, caminhando descalço na areia, para fortalecer as calosidades da planta do pé, também ajuda.

O estudo publicado na PNAS tinha como objetivo avaliar a função social dos rituais coletivos, e mostrou que o coração da pessoa caminhando pelas brasas e o coração dos entes queridos presentes na plateia entram em sincronia -- mas apenas o dos entes queridos. Em outras palavras, as pessoas da plateia que não amam o caminhante não entram em sincronia com ele.

Para além do significado antropológico da descoberta, fica a sugestão de roteiro para um novo reality show: casais onde um dos membros desconfia da indiferença do outro são chamados pelo apresentador e, enquanto o membro desconfiado caminha sobre brasas, o alvo de desconfiança é amarrado a um polígrafo...

Brincadeirinha, gente. Brincadeirinha...

Comentários

  1. Por falar em andar sobre brasa. Você asistiu o filme Alexandria? O filme conta a história da matemática Hipatia que foi assassinada por motivos religiosos.

    ResponderExcluir
  2. Não, não vi... Mas Hipácia de Alexandria é um caso clássico: linchada por uma turba de cristãos. E o bispo local foi canonizado depois.

    ResponderExcluir
  3. por que e como isso acontece, a sincronia entre corações? digo, entendo que todos os parentes tiveram alteração nos batimentos cardiacos pra que entrassem em sincronia com o que pisa na brasa, mas essa sincronia é um padrão específico de cada familia ou existe um tipo de batimento cardiaco padrão para essa situação e que apenas se manifesta entre os parentes?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"Fosfo da USP" volta a dar chabu em testes oficiais

Baleia ou barriga?

O financiamento público da pseudociência