Aventuras Secretas de Sherlock Holmes

Quando Arthur Conan Doyle anunciou, na década de 20 do século passado, que não escreveria mais histórias de Sherlock Holmes, o então jovem americano August Derleth pediu permissão para levar o personagem adiante. Autorização negada, Derleth partiu para criar seu próprio detetive londrino, Solar Pons.

Nos quase 100 anos desde o fechamento do cânone sherlockiano, muitos outros autores, das mais diversas partes do mundo, sentiram a mesma tentação que se apossara de Derleth -- e, com a entrada da criação de Conan Doyle em domínio público, pedir permissão deixou de ser uma necessidade.
A safra brasileira nessa linhagem específica era bastante mirrada -- os frutos mais conhecidos são O Relógio Belisário, de José J. Veiga, e O Xangô de Baker Street, de Jô Soares. 

Mas agora isso vai mudar: a Editora Draco anunciou o lançamento, em sua "temporada 2011/2012", da coletânea de contos Sherlock Holmes - Aventuras Secretas, organizado por mim e por Marcelo Galvão.
Com trabalhos de Octavio Aragão (expandindo o conto apresentado na coletânea Ficção de Polpa: Crime!, da Não Editora), Alexandre Mandarino, Rosana Rios, Cirilo Lemos, Lúcio Manfredi e Romeu Martins, além de um conto de cada um dos organizadores, Aventuras Secretas expande o universo sherlockiano, aprofundando o olhar brasileiro sobre o personagem, seu criador e seu lugar na história.
Os contos vão desde mistérios ao estilo vitoriano à investigação de o que poderia ter acontecido se Holmes e Watson jamais tivessem ido morar juntos, passando pela última aventura de Holmes e a revelação de o que, afinal, o detetive conversou com o dalai-lama em sua visita ao Tibete.

O livro, projeto nascido de uma ideia original de Octavio Aragão, também marca a primeira iniciativa "oficial" do grupo de entusiastas sherlockianos Isadora Klein Amateur Mendicant Society (ou IKS, para encurtar).

E prova que, no mundo de hoje, é mais fácil organizar e publicar uma coletânea de contos de primeira linha do que reunir um grupo de amigos para tomar vinho e discutir literatura -- o principal objetivo estatutário da IKS, que continua sem ser atingido.
Mas temos esperanças: quem sabe, no lançamento? Esperamos vocês lá!

Comentários

  1. É sempre boom recordar que a ideia mesmo veio do Braulio Tavares, lááá em 1998, durante a noite de lançamento do Outras Copas, Outros Mundos. Apenas eu dei ouvidos na época... ;-)

    ResponderExcluir
  2. Não sei se houve seleção aberta de contos, mas é uma pena pois tenho dois contos de Sherlock Holmes que acredito terem condições de participar de um projeto desses. É uma pena mesmo, mas boa sorte com a antologia. Quando puder, irei adquiri-la

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Baleia ou barriga?

O financiamento público da pseudociência

Design Inteligente é propaganda, não ciência