Zona habitável... da galáxia?

Acho que todo mundo já está meio careca de ouvir falar no conceito de "zona habitável" de um sistema solar: a região, em torno da estrela central, onde a temperatura na superfície de um planeta permite a existência de água (ou algum outro solvente viável) em estado líquido.

Menos conhecidas, porém, são as críticas à ideia de zona habitável, que chamam a atenção para a estreiteza do conceito baseado exclusivamente na distância estrela-planeta, já que uma série de outros fatores (densidade atmosférica, por exemplo) podem afetar a capacidade de um planeta conter líquidos viáveis para a vida.

Outra tipo de crítica, de caráter mais filosófico, lembra que "vida" pode ser um fenômeno muito mais sutil e/ou complexo do que imaginamos, existindo em formas e condições que, hoje, nos parecem impossíveis.

(Para ser justo, é preciso dizer que a maioria dos cientistas que trabalham buscando vida extraterrestre está perfeitamente consciente das limitações do conceito: o que dizem é que a busca tem de começar em algum lugar, e o melhor lugar para começar é onde as as coisas são parecidas com o que já conhecemos.)

Críticas à parte, no entanto, a ideia de uma "zona habitável" delimitada não se aplica apenas a sistema solares, mas também a galáxias.

A noção é a de que, no interior de uma galáxia, deve existir uma faixa -- normalmente imaginada como um anel cilíndrico, ou toroide -- onde o ambiente espacial é rico o suficiente em materiais "pesados" necessários para  a vida como a conhecemos (ferro, carbono, oxigênio, etc.) e, ao mesmo tempo, distante o suficiente do núcleo galáctico para evitar incômodos como supernovas e a radiação do buraco negro central.

Supernovas são o fator-chave: sem elas, o ambiente espacial não é enriquecido o suficiente com o equivalente cósmico de vitaminas e sais minerais para que planetas capazes de gerar vida venham a se formar; mas um excesso delas gera energia suficiente para esterilizar mundos inteiros. A ignição de uma supernova na nossa vizinhança poderia destruir a camada de ozônio da Terra, desencadeando uma reação que acabaria tornando o planeta inabitável.

(Caso você esteja se perguntando, um artigo científico publicado em 2003 indica que o risco de um evento do tipo é de aproximadamente 1 a cada bilhão de anos.)

Trabalho recente sobre o conceito de zona habitável galáctica, aceito para publicação no periódico Astrobiology,  conclui que o efeito fertilizante das supernovas supera, em muito, seu potencial destruidor, e argumenta que cerca de 1,2% de todas as estrelas da Via-Láctea, incluindo algumas relativamente próximas do núcleo, são ou foram capazes de suportar vida em seus sistemas. Isso dá algo como 2,5 bilhões de astros, se estimarmos a população da galáxia em 200 bilhões de estrelas (algumas estimativas chegam a 400 bilhões).

A conclusão de que é plausível que a galáxia comporte bilhões de planetas habitáveis já havia sido enunciada por um grupo de pesquisadores especializados em planetas extrassolares, ainda que a descoberta que levou a essa alegação específica tenha sido questionada depois.

Comentários

  1. Como isso pode explicar o paradoxo de Fermi?

    ResponderExcluir
  2. Oi Andy! Então... não pode. O paradoxo continua a assombrar.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"Fosfo da USP" volta a dar chabu em testes oficiais

Baleia ou barriga?

O financiamento público da pseudociência