Ciência, asteroide assassino e memória da internet

Como todo leitor deste blog sabe (ou deveria saber) a ciência é uma atividade sui-generis porque, entre outras coisas, avança e evolui em meio à crítica e à contestação. Cientistas detonam as ideias de outros cientistas. Cientistas buscam provas de que seus colegas estão errados. Cientistas duvidam de cientistas. E, eis aqui a maravilha da coisa, nada disso é considerado disruptivo, ou falta de educação, ou maus modos: é o processo normal da empreitada.

Como jornalista de ciência, eu me vi pego nesse turbilhão algumas vezes, mas nenhuma tão marcante quanto a que envolveu a questão da família de asteroides Baptistina e a extinção dos dinossauros. Você provavelmente encontrou pela internet a notícia de que a sonda Wise, da Nasa, eliminou a possibilidade de o asteroide que caiu no México no fim do período Cretáceo -- aniquilando os dinossauros -- ter sido um dos fragmentos da grande rocha que originou a família Baptistina.

Bom.

A ideia de que o asteroide que acabou com os dinos teria vindo dessa família foi levantada em 2007, em artigo publicado na revista Nature. Eu entrevistei algumas pessoas e fiz matéria a respeito.

 Lembro-me muito bem disso porque na época tínhamos, no estadao.com.br, um ilustrador "emprestado" do jornal impresso, que fez uma linda animação de como teria sido o processo, começando com uma colisão no cinturão de asteroides e terminando com a colisão na Terra. Acho que foi o projeto multimídia mais legal de que participei em meus 14 anos no grupo. Depois o ilustrador voltou pro jornal, o pessoal da multimídia se atolou em coisas como tabelas de votação para prefeito, linhas do tempo da corrupção  e rankings de faculdades, e bau-bau.

(Um aviso para quem quiser trabalhar com jornalismo online: os sites de notícia são meio que o equivalente do setor de motoboys de um grande restaurante. A cozinha -- a produção de conteúdo -- trabalha mesmo para o pessoal do salão, sejam eles os leitores, ouvintes, telespectadores. Os internautas são o equivalente do povo que liga pra pedir delivery.)

Enfim. Matéria dada, animação feita, um editor de ciência orgulhoso e satisfeito. Mas...

No início de 2010, uma equipe de brasileiros encontrou inconsistências entre observações feitas sobre os asteroides Baptistina e sedimentos deixados pela colisão que acabou com os dinossauros. Confesso que fiquei meio contrariado -- minha animação favorita era cascata? -- mas, enfim, é dessa forma que a ciência progride, o leitor tem o direito de saber, o assunto é legal pra caramba, então fui lé e fiz matéria.

Agora chegamos à questão da falta de memória: não só a animação superfodástica de 2007 não aparece mais no site do estadao.com.br  associada aos textos relevantes, como o texto a respeito do resultado do Wise não aproveita, em nada, os dois resultados anteriores.

Esse é um problema comum com sites em geral (estou usando o estadao.com.br como exemplo porque trabalhei lá, então o caso me ocorre com facilidade, mas não se trata de algo único): a informação está lá, latente nos servidores, mas não há ninguém que se lembre, ou tenha a ideia, de procurá-la.

Porque a rotatividade de pessoal é grande, a cada reforma gráfica apagam-se milhares de arquivos antigos, o pessoal da home tá gritando na orelha do editor de ciência pra ele parar com essa frescura de Science e Nature e subir logo a matéria do óvni que abduziu o burro de duas cabeças com uma imagem de Nossa Senhora no lombo, etc., etc.

O que é um problema, que pode acabar condenado a internet a viver como o protagonista do filme Amnésia.

Aliás, alguém se lembra desse filme?


Comentários

  1. O povo de memória curta é o maior culpado pela situação do país, não só atual, mas de muito tempo.
    E contra esse processo de construção e destruição de conceitos da ciência, que realmente é essencial para o enriquecimento do conhecimento, só tenho uma crítica: às vezes as pessoas exageram no ceticismo, e acaba virando ignorância.
    Abraço

    ResponderExcluir
  2. orsi, acredito que achei a animação superfodástica no estadao.com.br:

    http://www.estadao.com.br/especiais/cientistas-rastreiam-meteorito-que-provocou-,3288.htm

    é esta? busquei por "dinossauros" e fui direto nos resultados de "especiais".

    ResponderExcluir
  3. Sim! Com a passagem por Marte e tudo! :-D

    Eu só tinha olhado dentro da matéria original, e como o link não estava mais lá, achei que a animação tinha sumido numa das limpezas de servidor que às vezes acontecem...

    ResponderExcluir
  4. ainda bem que ainda estava lá! mas deveria estar mesmo no corpo da matéria...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"Fosfo da USP" volta a dar chabu em testes oficiais

A maldição de Noé, a África e os negros

Primeiros testes: "fosfo da USP" não funciona e não é "fosfo"