Moralidade evolui

Da próxima vez que alguém lhe disser que, sem Deus, não haveria um senso de certo e errado no mundo, pergunte se a pessoa tem uns 15 minutos livres e exiba este genial vídeo:


Comentários

  1. Muito bacana, Orsi, mas creio que ineficaz para o fim que vc sugere.

    Se vc prova a um religioso que outros mamíferos tem comportamentos similares aos humanos, eles dizem que Deus criou o mundo assim, e que isso prova a existência de Deus.

    Se vc prova a um religioso que outros mamíferos tem comportamentos diferentes dos humanos, eles dizem que Deus criou o mundo assim, e que isso prova a existência de Deus.

    Eu trato de apreciar as belezas do mundo, com a ajuda da ciência, e tento deixar os religiosos de lado. Eles não tem nada a me oferecer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Micro! Concordo que sempre dá pra tergiversar, mas é que há um argumento teísta clássico que usa a premissa de que o senso de certo e errado, justo e injusto, não tem como surgir da natureza, precisa ser "implantado" metafisicamente. Esses experimentos demolem a versão clássica. O que não impede que novas surjam, claro. Mas eu encaro esses debates meio como vejo as refeições: não é porque você sempre vai precisar comer de novo que não de pode apreciar a que está no prato agora... ;-)

      Excluir
  2. Um dos comentários no próprio site do TED mostra que sua esperança na lógica talvez não tenha base na realidade:

    "Chung Truong Thanh believes we do not need religion for morals, as such morals are already embedded in us. I agree on the part that we have morals within our in-built instincts. However, but who "built-in" such instincts in us other than God? That brings religion into the equation, albeit in a different format."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que o caso aqui é parecido com da minha resposta ao Microempresário: sempre dá para tergiversar. Mas a moralidade deixa de ser vista como um ato de intervenção sobrenatural e passa a ser um fenômeno natural (um instinto). É claro que fenômenos naturais podem ser atribuídos a Deus, mas a mudança de categoria é significativa: coisas naturais, afinal, evoluem, não precisam necessariamente ser "criadas" ex nihilo.

      Excluir
  3. KKKKKK, olha a ironia do Google. De tanto você tratar de (anti)religião aqui no seu blog, o GoogleAdServices colocou o seguinte link de propaganda aqui do lado direito: http://www.vela-de-aparecida.com.br/

    Acho melhor vc começar a rezar para São Turing, hehehe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, volta e meia essas coisas aparecem... Tinha uma de uma medalhinha exorcista de São Damião, ou coisa parecida, que tinha até um certo valor como comédia involuntária.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Baleia ou barriga?

O financiamento público da pseudociência

Design Inteligente é propaganda, não ciência