Afinal, o que os cristãos têm contra os gays?

Sou só eu que estou achando espantosa a virulência da reação de grupos religiosos contra as iniciativas legislativas e do Executivo de mitigação da homofobia? 

Parêntese. 

Eu, pessoalmente, me vejo numa situação engraçada nos debates sobre o tal "PL da homofobia" que, fundamentalmente, apenas inclui a orientação sexual na lista de itens protegidos pela lei contra discriminação em vigor no Brasil. 

Isso porque sempre achei a lei contra discriminação, da forma como está, uma espécie de Espada de Dâmocles pairando sobre a liberdade de expressão, e agora tenho um bando de cristãos coléricos concordando, de certa forma, comigo. Mas meu ponto é contra a lei em geral, não contra a lista de grupos protegidos por ela, então nossa concordância não vai, realmente, muito longe.

Fecha parêntese.

Voltando ao tema principal da postagem: há um trecho do Velho Testamento que declara a homossexualidade uma "abominação", mas até aí o Velho Testamento também diz que mariscos e camarões são abominações, e nem por isso a CNBB emite éditos contra restaurantes de frutos do mar. A coisa esquenta um pouco mais, porém, quando se chega ao Novo Testamento. Como no caso desta passagem:

9. Acaso não sabeis que os injustos não hão de possuir o Reino de Deus? Não vos enganeis: nem os impuros, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os devassos, 10. nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os difamadores, nem os assaltantes hão de possuir o Reino de Deus.


O trecho acima é da Primeira Carta de Paulo aos Coríntios, capítulo 6. A "Bíblia Ave Maria", católica, usa "efeminados" no verso 9, mas há outras traduções diretas do original grego que não hesitam em pôr lá "homossexuais", mesmo. 

Enfim, de acordo com o primeiro e mais influente teólogo do cristianismo, graças a quem os cristãos de hoje estão livres da obrigação de circuncidar os filhos, os gays se encontram na mesma categoria dos ladrões, bêbados, avarentos e assaltantes. Barrados do Reino de Deus.

Do ponto de vista prático, no entanto, a Escritura é um impedimento menor do que parece. Há dois milênios que teólogos inventam interpretações criativas para contornar obstáculos bíblicos específicos. Afinal, qual foi a última vez que você viu alguém vendendo tudo o que tem e dando o dinheiro aos pobres antes de ser aceito numa igreja cristã?

Outro exemplo: Jesus foi extremamente claro ao condenar a separação de casais casados. Ele passa uma dúzia de versos do Evangelho de Marcos revogando a autorização, que consta da Lei de Moisés, para o divórcio -- culminando com a famosa frase "não separe o homem o que Deus uniu" (Marcos, 10:9). 

Mas todas as igrejas cristãs acharam meios de relevar a injunção; até os católicos, que oficialmente se opõem com unhas e dentes ao divórcio, chegaram à criativa solução de que, mesmo sendo impossível dissolver um casamento, é sempre possível declarar que o casamento não aconteceu de verdade.

Nada impede, portanto, que uma acomodação para acolher os homossexuais surja no futuro (a regra atual, de que os homossexuais são bem-vindos, mas "convidados à abstinência", é de um requinte de crueldade psicológica que só a religião, mesmo, seria capaz de conceber).

Lendo uma biografia do apóstolo Paulo escrita pelo teólogo alemão Gerd Lüdemann, encontrei o que me parece uma pista para a demora na chegada dessa acomodação: Lüdemann nota que a ética cristã é, fundamentalmente, a ética do bom-senso -- não mate, não roube, não cometa fraude, não guarde rancor. 

Duas coisas, diz ele, e apenas duas, distinguem a ética dos cristãos dessa lista de platitudes universais: a adoração de Jesus em exclusão a todos os demais deuses e a moral peculiar que se busca impor às práticas sexuais. 

Olhando a coisa sob esse ângulo, é possível que a luta pelo "direito à homofobia" não seja apenas um reflexo obscurantista que pode vir a passar com o tempo, mas uma outra coisa -- uma luta pela preservação do pouco que resta da própria identidade.

Comentários

  1. Carlos, tem ainda um lance de que a palavra "abominação" seria mal-interpretada, pra início de conversa: ela não quer dizer intrinsecamente imoral, mas algo mais pra "não de acordo com o ritual".

    ResponderExcluir
  2. É interessante ver como as pessoas interpretam e agem de acordo com a conveniência delas. No lugar onde trabalho, a maioria dos homens é homófobo, no entanto, muitos deles traem ou buscam uma forma de trair as esposas. E todos eles são cristãos.

    ResponderExcluir
  3. Eu entrei numa discussão sobre isso um tempo atrás. Uma mulher falando que deus só permitia papai-mamãe e que qualquer outra posição/prática sexual era abominável.

    Aí eu perguntei pra ela:
    Você como carne de porco? Carne de coelho? Mariscos? Moluscos?

    "O que tem a ver? Claro que como"

    Bem, na bíblia diz que você não pode.

    ResponderExcluir
  4. É com satisfação que vejo que estou entre umas 4 ou 5 das categorias citadas que não vão pro céu.

    ResponderExcluir
  5. se você acredita na evolução pela seleção natural, então seu "rancor" pela religiosidade não me parece fazer muito sentido, afinal os valores religiosos apenas seriam um reflexo do natural dos pensamentos humanos como sociedade.

    por favor, tire um tempo para pensar:
    vamos supor que a religião não existisse, você realmente acredita que não existiria homofobia?
    Além da questão da sexualidade, você acha que não haveriam guerras?
    Disputas territoriais?
    Desonestidade, corrupção?
    Assassinatos, estupros?
    Poluição, etc?

    É curioso ver um intelectual como você não pensar sobre as reais raízes dos problemas que enfrentamos.
    Ao invés de falar sobre reais soluções, você fica fazendo uma espécie de bullying "intelectual" com algo que você não simpatiza.
    É uma pena (e um desperdício).

    ResponderExcluir
  6. O problema é que combate leis que combatem a homofobia são justamente os parlamentares da bancada evangélica

    ResponderExcluir
  7. Caro Anônimo (aliás, por que será que gente como você nunca assina seus comentários? Mas, divago),

    Ninguém está dizendo que numa sociedade desprovida de crenças religiosas tudo seria "melhor". O que se disse -- e se pode verificar apenas lendo os jornais -- é que a norma do pensamento religioso vigente é homofóbica; que os membros da bancada evangélica são bastante ativos ao combater os direitos civis de parte da população; e que a própria fonte autoritativa do comportamento religioso (a Bíblia) é tomada ora como alegoria, ora como fato, ora como lei supra-Constitucional conforme a conveniência de quem fala.

    O que por si só fala volumes sobre a suposta moral ilibada dos parlamentares evangélicos.

    -Daniel Bezerra

    ResponderExcluir
  8. e eu disse que, de um ponto de vista materialista/ateísta, o pensamento religioso é o reflexo do pensamento humano, uma característica que lhe conferiu vantagem evolutiva.
    em outras palavras, sem religião, a humanidade simplesmente faria as mesmas coisas que tem feito hoje deste ponto de vista.
    afinal de contas, nem as pessoas em geral nem a bancada evangélica levam a sério o que a bíblia diz.
    veja pelo exemplo colocado pelo Carlos sobre pessoas que cometem adultério e são homofóbicas: você acha que são homofóbicas por causa da bíblia? E são adúlteras por qual causa então? Mentem em suas declarações de impostos por quais motivos? Participam em guerras com que motivação?
    Hitler quis fazer sua limpeza étnica (e homofóbica) por causa de religião, ou por motivações baseadas na teoria da evolução?

    veja só: se as pessoas realmente seguissem os ensinamentos cristãos não existiria homofobia. por que? porque a bíblia diz que os cristãos precisam amar a "todos", até o ponto de amar inimigos.
    Diz também para perdoar a todos sem distinção e indefinidas vezes.
    Diz para suportar a todos.
    Diz para não revidar o mal, mas combater o mal com o bem.
    Diz para levar uma vida moderada.
    Diz para os patrões tratarem bem seus funcionários e diz para os funcionários serem honestos no seu serviço.
    Diz para manter moderação no beber e no comer.
    Diz para não participar em guerras nem pegar armas.
    Diz para pagar todos os impostos e respeitar as autoridades.
    Concorda que se realmente seguissem a bíblia o mundo seria como está? O mundo está desse jeito porque no fundo as pessoas são orientadas a pensar de forma ateísta.
    as pessoas têm religião assim como têm times de futebol, é só na fachada.

    Sobre a "condenação" da prática do homossexualismo na bíblia, isso não deveria afetar os "não cristãos" por dois motivos:
    1) as pessoas que seguem o cristianismo não devem julgar, isso cabe somente a Deus
    2) quem não é cristão nem acredita em nada disso mesmo

    se você quer saber, por causa da minha religiosidade eu acredito no estado laico pois o cristianismo ensina que não devemos nos envolver na política.
    os cristãos não devem tentar mudar leis para obrigar as demais pessoas a seguirem princípios que não querem.
    portanto, parece até estranho, mas eu não tenho nenhuma objeção com a lei que regulamenta casamento homossexual.
    por causa de minha religiosidade, eu respeito o espaço e liberdade de cada um.
    faço esforço para tratar bem a todos, não só por ética, mas por uma motivação maior, coisa que não existe no materialismo.

    obs: não assino o nome pois não quero essa exposição. uma conversa sadia pode facilmente se inverter em uma discussão que pode ser mal entendida por outros. além disso não ofendi ninguém.

    desculpe o texto grande, mas eu tentei ser claro e objetivo ao mesmo tempo, mas parace que não funciona bem..

    ResponderExcluir
  9. Microempresário1 de junho de 2011 15:53

    Caro Anônimo, seu texto confirma exatamente a última frase do Daniel, que diz que a Biblia é interpretada de acordo com a conveniência. Sim, a biblia diz todas estas coisas boas que vc citou. E também diz que homosexualismo é abominação, que ricos não entram no reino dos céus, e mais um monte de coisas que não vou me dar ao trabalho de citar.

    Quando vc diz que a "condenção do homosexualismo não deveria afetar os não cristãos", sem querer acertou no tempo do verbo: não deveria afetar, mas afeta. Porque na prática nosso "estado laico" costuma ceder aos interesses da igreja, seja por costume, interesse eleitoral ou sei lá o que mais.

    E por último, vc diz que "sem religião, a humanidade simplesmente faria as mesmas coisas que tem feito hoje". É possível. Mas a história teria menos guerras, menos conflitos, menos ódio.

    Se um dia vc tiver a oportunidade de visitar o sul da França, tente conhecer Béziers. E ao chegar lá, tente imaginar a cidade sendo invadida por tropas a serviço da igreja, com a ordem "Matem todos, Deus reconhecerá os seus." E tente visualizar uma cidade simplesmente deixar de existir, ter TODOS os seus habitantes mortos com a justificativa de que entre eles havia hereges.

    É isso que a religião tem feito na história da humanidade.

    ResponderExcluir
  10. microempresário, as guerras são feitas por causa de ganância essencialmente. as religiões foram uma espécie de ferramenta nas mãos dos governantes.
    se não houvesse religião, se arranjaria outro motivo.
    conforme o exemplo do Hitler que eu mencionei, ele utilizou conceitos como superioridade racial e intolerância (e homofobia) para fazer o que ele fez.
    o que eu quis dizer (que não ficou muito claro mesmo) é que vocês estão misturando as coisas, alguns de propósito, outros por falta de informação mesmo

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Baleia ou barriga?

O financiamento público da pseudociência

Design Inteligente é propaganda, não ciência