Novo recorde: avistada galáxia apenas 480 milhões de anos após o Big Bang

Análise de uma imagem feita pelo Telescópio Espacial Hubble revela a presença de uma galáxia 480 milhões de anos após o Big Bang, quando o Universo tinha apenas 4% de sua idade atual. Esta galáxia torna-se o mais antigo objeto conhecido pelo homem.

Um retrato dela aparece abaixo, devidamente localizado dentro da imagem de campo ultra profundo do Hubble (o "HUDF" do título em azul dentro do quadro significa exatamente "Hubble Ultra Deep Field"):


A preponderância da evidência sugere que o que chamamos de "Universo" teve início há 13,7 bilhões de anos, quando o tempo e o espaço começaram a crescer a partir de um ponto único.

(A ideia de que a expansão do Universo implica uma expansão do próprio espaço não é exatamente uma das mais fáceis de assimilar. Muita gente ainda imagina que o Big Bang representou simplesmente o nascimento da matéria dentro de um espaço previamente vazio.)

Cientistas fazem uma boa ideia -- ou, ao menos, têm uma teoria razoavelmente sólida -- sobre o que aconteceu assim que o Universo começou a se expandir. Na temperatura altíssima que se seguiu ao Big Bang, os componentes da matéria que conhecemos existiam numa espécie de caldo, o plasma de quarks e glúons (o mesmo tipo de material que o LHC vem recriando na Europa). Conforme o espaço aumentava e a temperatura diminuía, as partículas começaram a se agregar, primeiro em núcleos atômicos e depois em átomos.

O surgimento dos átomos deu início à chamada "Idade das Trevas", durante a qual não havia nenhum fenômeno no espaço para produzir luz. Esse período teria começado 380.000 anos após o Big Bang. A ela se seguiu a chamada reionização, quando as primeiras estrelas começaram a brilhar, começando cerca de 400 milhões de anos após o Big Bang.

(O gráfico da Nasa, ao lado, dá a linha do tempo.)

A nova imagem do Hubble (divulgada na revista Nature) mostra uma galáxia surgida no período de reionização. Não se trata da primeira já encontrada dentro dessa faixa: em 2010, foi anunciada a descoberta de uma galáxia de apenas 600 milhões de anos após o Big Bang.

Os autores da descoberta descrita na Nature, da Europa e EUA, destacam o fato de que agora é possível estimar a evolução da taxa de formação e crescimento de galáxias nos primórdios do Universo. Ela simplesmente se multiplicou por dez e depois por vinte, em intervalos aproximados de 200 milhões de anos:


Comentário publicado a respeito da descoberta, na mesma edição da Nature, chama atenção para o fato de que essa taxa de crescimento é consistente com a dos halos de matéria escura em que as galáxias parecem existir.

A "matéria escura", um tipo de partícula que não interage com a radiação eletromagnética (e por isso é invisível) é a fonte da atração gravitacional necessária para manter as galáxias coesas. Embora a natureza dessa forma de matéria ainda seja um mistério, seus efeitos gravitacionais são observados em diversos fenômenos cósmicos, como colisões entre galáxias.

A imagem abaixo, produzida pelo Telescópio Espacial Chandra em 2006, mostra o resultado da colisão entre dois aglomerados de galáxias. Em rosa está marcada a preponderância de matéria normal dos aglomerados e, em roxo, onde está localizada a maior parte da massa da estrutura.



A constatação de que as maiores concentrações de massa estão dissociadas das maiores concentrações de matéria visível é apresentada como prova da existência da matéria escura.

Comentários

  1. Olá Carlos, sugeri essa postagem em meu blog pois tratei de um assunto parecido.
    Acesse: www.nano-macro.com

    Abraços e obrigado em compartilhar conhecimento!

    ResponderExcluir
  2. Isto está no limite da minha capacidade de compreensão. A ideia de que antes do Big Bang não havia espaço é algo que aceito sem realmente compreender...

    ResponderExcluir
  3. Você acha isso complexo? Bem, antes do Big Bang... não havia "antes", já que o TEMPO começou no Big Bang :)

    -Daniel Bezerra

    ResponderExcluir
  4. Bom, também é difícil, mas a parte do tempo é mais fácil que a do espaço... pelo menos pra mim.

    ResponderExcluir
  5. Alonso
    O que e' que esta ao norte do Polo Norte? Quando voce entender isso, o surgimento do tempo e do espaco nao vao ser tao problematicos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Baleia ou barriga?

O financiamento público da pseudociência

Design Inteligente é propaganda, não ciência