Meu momento 10²³: 'overdose' de sedativo homeopático

No vídeo abaixo, eu consumo um copo com 60 pílulas de Aconitum napellus, uma planta venenosa, associada a beladona e outros derivados vegetais menos cotados. Todas essas toxinas foram diluídas homeopaticamente a 6 C, o que significa uma parte de soluto em um trilhão de partes de solvente.

Efetivamente, embora do ponto de vista homeopático eu tenha me submetido a uma "overdose", o que bebi não foi nada além de água com açúcar.

(Para quem duvida, esta postagem está sendo organizada -- incluindo upload do vídeo, que é demorado pra caramba -- cerca de uma hora após a deglutição e, como deve estar dando para notar, eu não estou rolando no chão e babando gosma roxa. Minha digitação seria um pouco pior, nesse caso.)

As pílulas são recomendadas como tratamento homeopático para ansiedade e distúrbio do sono. E esta é minha participação na campanha 10²³: homeopatia é feita de nada.

video

Comentários

  1. "Não pretendo manter você ligado aqui pelos próximos duzentos ou trezentos anos..." Realmente. E daqui a pouco alguém sente uma dor de estômago pelo que comeu meio-dia e diz que foi a "overdose". Oh, shit!

    #ten23

    ResponderExcluir
  2. Confesso que tinha comido batatinhas Pringles e tomado um Jim Beam duplo antes da overdose, mas não detectei nenhuma interação medicamentosa...

    ResponderExcluir
  3. Dá olha olhada no infográfico que fiz com o Kentaro Mori sobre homeopatia: http://ilustrebob.com.br/2011/02/infografico-homeopatia/

    ResponderExcluir
  4. Carlos, não tenho dúvida que os homeopáticos não funcionam. E que os próprios fabricantes sabem disso.

    Mas, por uma mera questão de segurança de quem está fazendo o teste da overdose, como saber se o produto foi feito dentro das especificações, que está mesmo diluído a 6 C?

    Não é como fazer um teste confiando que só tem balas de festim na arma? Como não foi você quem preparou a munição, vai que tem uma bala de verdade no meio.

    Quem supervisiona a fabricação desses remédios? Pelo que vi, o que testou é feito em escala industrial. É regido pelo mesmo controle dos remédios normais?

    Abraços.
    Edmundo

    ResponderExcluir
  5. Oi, Ed! Bom, eu fiz o meu teste na baseado confiança... Como a diluição extrema garante uma boa margem de lucro para o fabricante (já que uma quantia modesta de "princípio ativo" garante toneladas de remédio), não há incentivo para erros de fabricação que produzam concentrações acima das marcadas no rótulo. Mas sua preocupação é procedente: o comendo da campanha 10:23 sugeria o uso de produtos de marcas conhecidas ou de farmácias de manipulação de confiança, para evitar problemas...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"Fosfo da USP" volta a dar chabu em testes oficiais

A maldição de Noé, a África e os negros

Primeiros testes: "fosfo da USP" não funciona e não é "fosfo"