108 meses ou sete anos? Enganados pelas unidades

O que é mais vantajoso: uma ampliação da garantia de sua máquina de lavar de 84 para 108 meses ou de sete para nove anos? Parando para fazer a conta, dá para ver que se trata da mesmíssima coisa: uma ampliação de 24 meses, ou dois anos.

(Incidentalmente, 84 meses equivalem a sete anos, e 108, a nove).

No entanto, de acordo com estudo publicado do site do Journal of Consumer Research -- e chamado How to Make a 39% Increase Look Bigger ("Como Fazer um Aumento de 39% Parecer Maior") -- a maioria das pessoas vê mais vantagem quando a ampliação de garantia é expressa em meses, não em anos.

Os autores do trabalho, de instituições belgas e holandesas, encontraram ainda outros exemplos do mesmo efeito: as pessoas tendem a achar que uma nota de 95 numa escala de 0 a 100 é maior que uma nota de 9,5 de 0 a 10, e a evitar chocolates quando o conteúdo energético (e, por tabela, o poder engordativo) é expresso em quilojoules (1.029 numa barra de Twix) do que na familiar escala de calorias alimentares (246, para o mesmo doce).

Em princípio, esse fenômeno parece ser mais um caso daquilo que o matemático John Allen Paulos chama de "innumeracy" ("anumerismo", ou "analfabetismo de números"), mas a mim me parece mais um exemplo dos limites da intuição humana, a mesma faculdade mental tão adorada pelos românticos de todas épocas e que insiste em nos dizer que a Terra é chata e fica no centro do Universo.

Nesse caso, o erro intuitivo está em comparar valores numéricos sem prestar atenção nas unidades e seus significados. O efeito desapareceu, disseram ou autores, quando os voluntários prestaram atenção nos atributos medidos, ou foram lembrados da escolha arbitrária de unidade.

Lembre-se disso da próxima vez que for às compras.

Comentários

  1. Heurística. É mais fácil comer sem culpa uma barra de 100g de chocolate que cem gramas de M&M's.
    Mamíferos não são bons com números.

    ResponderExcluir
  2. Esta eu ouvi de um economista em uma palestra:

    Imagine que você está cotando, em lojas na cidade, um equipamento qualquer. Em uma das primeiras lojas, você obtem uma oferta de 1230 reais, algumas lojas depois, já cansado, você recebe uma oferta de 1260 reais. A primeira loja está há umas 3 quadras, o sol está forte etc. Você volta à primeira loja ou compra nesta mesmo? Muitas pessoas responderam que comprariam ali mesmo, pois a diferença não era relevante. Aí ele propôs uma situação análoga, mas cujos preços seriam na primeira loja 15 reais e na segunda, 45 reais. A maioria arrazoou que voltariam, pois a diferença de preços é absurda, o triplo do preço na segunda loja e tal. Mas o fato concreto é que se trata de caminhar 3 quadras para ganhar, ou economizar, 30 reais...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Baleia ou barriga?

O financiamento público da pseudociência

Design Inteligente é propaganda, não ciência