40 anos depois, Apollo revela água de cometa na Lua



Cometas chocaram-se com a Lua menos de 100 mihões de anos após a colisão que deu origem ao satélite, implantando água com uma assinatura atômica característica no manto lunar, diz um estudo publicado neste domingo pela revista Nature Goescience.

 A descoberta é ainda mais surpreendente porque  foi feita em rochas coletadas pelo programa Apollo e que, até agora, pareciam provar que a lua é completamente seca.

“O sistema solar era especialmente violento naquela época”, disse ao blog o astrônomo James Greenwood, principal autor do artigo científico. “Por exemplo, as superfície lunar mostra sinais de que havia muitos grandes impactos ocorrendo nos primórdios do sistema. E isso foi logo depois de um corpo do tamanho de Marte atingir a Terra, afinal”.

Greenwood explica ainda que os chamados “mares” da Lua, grandes planícies cobertas de lava seca, têm muito menos crateras que outras áreas porque são de formação mais recente. “Houve uma queda exponencial nos impactos com o passar do tempo”.

A água de cometa foi descoberta em rochas trazidas para a Terra pelas missões Apollo 11, 12, 14 e 17, realizadas em 1969 (11 e 12), 1971 (14) e 1972 (17). A Apollo 17 foi o último pouso tripulado na Lua, e a única missão a levar um cientista a bordo, o geólogo Harrison ‘Jack’ Schmitt, que também desempenhou as funções de piloto do módulo lunar.

A descoberta de sinais de água de cometa nas rochas trazidas teve de esperar mais de 40anos e a análise realizada pela equipe de Geenwood, no entanto.

“Encontrar água nas rochas lunares era um dos principais objetivos as amostras Apollo, mas as técnicas usadas nos anos 70 não eram adequadas para detectar níveis tão baixos”, explica o cientista. “Além disso, eles podem ter simplesmente olhado para as amostras erradas. Depois de analisar um monte de rochas e solos e determinar que eram secos, não fazia sentido continuar analisá-los”.

Greenwood acrescenta que, quando as técnicas necessárias para encontrar quantidades mínimas de água surgiram, nos anos 80 e 90, ninguém pensou em aplicá-las às rochas lunares – porque todos já “sabiam” que elas eram secas, afinal!

“A ideia de que a Lua é seca é uma ‘lei fundamental’ da ciência planetária”, brinca ele. “Tive me esforçar um bocado só para obter as amostras, e elas me foram dadas em meio a resmungos”.

O pesquisador disse que teve de convencer os coautores do estudo que não estavam no laboratório dos resultados, e checar todas as análises três vezes para garantir que estavam corretos.

A equipe de Greenwood sabe que a água veio de cometas porque a proporção de deutério – uma forma mais pesada de hidrogênio – na composição das moléculas encontradas é o dobro da encontrada da Terra. “Os únicos objetos no nosso sistema solar com uma proporção similar são os cometas”, afirma ele.

Foto: Pegadas e rastros deixados pelos astronautas da Apollo 17 na Lua. Nasa


Comentários

  1. Qual a consequência de ter água na lua?
    Não vejo viabilidade em habitá-la e voltar a ser um homo habilis mdernus, quase sem gravidade.. é só o futuro dirá

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"Fosfo da USP" volta a dar chabu em testes oficiais

Baleia ou barriga?

O financiamento público da pseudociência